Articles by "ervas medicinais"
Mostrando postagens com marcador ervas medicinais. Mostrar todas as postagens
Um blog para quem gosta de verde, plantas e jardins
Orégano como antibiótico
O orégano é considerado um antibiótico natural, indicado (até mesmo pela Ciência) para tratar diversos tipos de doenças.

Normalmente, quando estamos com algum problema de saúde, vamos ao médico, passamos por uma consulta e, na maioria das vezes, saímos do consultório com uma receita em mãos.
Dependendo do caso, a receita indica a compra de analgésicos e antibióticos. No entanto, como se sabe, o uso indiscriminado de antibióticos  está causando uma consequência imprevista até então: as bactérias estão se adaptando a eles e sofrendo mutações devido ao seu mecanismo de autodefesa. Como consequência, ocorre a chamada “resistência aos antibióticos”, que é quando os antibióticos comuns não funcionam mais para combater infecções.

Para a nossa sorte, a sábia Natureza é dotada de ervas, raízes e especiarias que nunca deixaram de funcionar… Apenas foram esquecidas ao longo do tempo, com o surgimento das “facilidades” da vida moderna.

É o caso do Orégano
A palavra orégano, em grego, significa “alegria das montanhas” e, além de ser uma erva muito especial, é considerado um perfeito remédio, pois é capaz de corrigir o que há de errado em nosso organismo.

O orégano é rico em antioxidantes e fitoquímicos, por isso ele é indicado como antiviral, analgésico, antifúngico, antiespasmódico, anti-inflamatório, antitumoral e antibacteriano.

O óleo essencial de orégano contém ainda: boro, cálcio, cobre, ferro, magnésio, manganês e zinco, além das vitaminas A, C e niacina, o que faz dele um poderoso antibiótico natural.

O melhor antibiótico natural
Segundo pesquisadores da University of Babylon, o carvacrol, substância também presente no orégano, é capaz de destruir até as bactérias laboratoriais resistentes aos antibióticos comuns. O estudo revelou que as estirpes de bactérias S. aureus, S. epidermidis, S. pneumonia, E. coli, Klebsiella pneumoniae, Proteus mirabilis, Enterobacter e Serratia, que são conhecidas como impermeáveis aos produtos químicos, mostraram ser significativamente inibidas pelo carvacrol.


Além disso, um outro estudo desenvolvido pela Georgetown University, revelou que:  

“A capacidade de óleos de várias especiarias para matar organismos infecciosos é reconhecida desde a antiguidade. Óleos naturais podem se tornar valiosos adjuvantes ou mesmo substitutos para muitos anti-germicidais sob uma variedade de condições.”

É por este motivo que os óleos essenciais, não só de orégano, mas também de outras especiarias, são utilizados há muito tempo, mesmo quando ainda não existia essa infinidade de antibióticos criados pelo homem.
Um blog para quem gosta de verde, plantas e jardins
Chá de moringa para que serve?A moringa é uma planta nativa da Índia e é bastante conhecida por ter grande valor nutricional. Ela também possui diversas propriedades medicinais, o que fazem dela um excelente remédio e é por este motivo que apresentaremos neste artigo o chá extraído de suas folhas.
Como já falamos em outros artigos, a moringa, cujo nome científico é conhecido como Moringa oleifera, é uma planta nativa da Índia e também pode ser encontrada na Ásia, América Central e América do Sul.

MORINGA: TODAS AS PROPRIEDADES MEDICINAIS, OS USOS CULINÁRIOS E COMO PLANTAR
A moringa possui grande quantidade de proteínas, aminoácidos, vitaminas, carotenóides e minerais, fazendo dela um superalimento capaz de erradicar a fome até mesmo nas regiões áridas do deserto africano.

Sobre as propriedades medicinais da moringa, o Dr. Dayan Siebra cita alguns exemplos das ações dessa planta:

Antiespasmódica;
Diurética;
Anti-inflamatória;
Antipirética;
Antiepilética;
Antitumoral;
Antioxidante;
Antidiabética;
Reduz o colesterol ruim;
Combate úlceras e previne hipertensão.

Dr. Dayan também afirma que ela pode ser excelente para ajudar no emagrecimento, pois acelera o metabolismo, principalmente de quem tem Hipotireoidismo subclínico (que não é diagnosticado nos exames). No entanto, segundo ele esses benefícios não são comprovados cientificamente, pois os laboratórios não têm interesse em pesquisar plantas medicinais para usar como medicamento.
Como se não bastasse todos esses benefícios, a moringa tem o poder de purificar a água, através do óleo extraído de suas sementes. A propriedade coagulante do óleo de moringa faz com que sedimentos e bactérias presentes na água se depositem no fundo, tornando a água límpida e potável.

Como fazer o chá de moringa
Existem várias formas de usar a moringa para obter todos os seus benefícios. Dentre elas, a mais comum é através do chá extraído de suas folhas.

Para fazer o chá de moringa, basta colocar:

1 colher de sopa da erva em uma xícara e
acrescentar 200 ml de água quente.
Deixar em infusão por 3 minutos e consumir em seguida, de preferência sem adoçar.
Já o Dr. Dayan Siebra ensina a receita do chá com:

1 e ½ colher sopa das folhas de moringa,
500 ml de água fervente e
1 colher de sopa de mel.
 Adicione as folhas na água fervente, tampe e deixe descansar por 10 minutos.
 Coe e adicione o mel se achar necessário.
Ele explica que o chá dessa planta tem baixa caloria, principalmente se for tomado sem adoçar, favorecendo ainda mais o emagrecimento, se este for o seu objetivo.

Consulte um médico
Aproveite os benefícios da moringa para sua saúde, mas não sem antes conversar com um médico para saber sobre seus efeitos colaterais, pois o uso excessivo da moringa pode prejudicar a absorção de algumas vitaminas.
Um blog para quem gosta de verde, plantas e jardins
Salgueiro branco - Verde em FolhaOriginário da Europa, da Ásia e da América do Norte, o salgueiro branco é uma planta que apresenta flores com uma coloração mais clara que dos outros salgueiros. Sua árvore pode chegar a atingir os 30 metros de altura.
A erva apresenta propriedades sudoríficas, analgésicas, antiagregantes, antirreumáticas, antipiréticas (que diminuem a febre) e anti-inflamatórias.

Para que serve – Os benefícios do salgueiro branco 


Já que fomos apresentados à planta, vamos conhecer agora alguns dos benefícios que são atribuídos ao salgueiro branco? Então, confira alguns deles na lista a seguir:

– Alívio de dores

De acordo com informações do Organic Facts, o primeiro uso documentado do salgueiro branco é para o alívio de dores. Um dos componentes do salgueiro branco é a chamada salicina, uma substância que lá atrás, em 1800, foi isolada e transformada no ácido acetilsalicílico por meio de processos químicos.
O ácido acetilsalicílico é o princípio ativo da aspirina, um medicamento utilizado justamente para o alívio de dores de intensidade leve a moderada como dor de cabeça, dor de dente, dor de garganta, dor muscular, dor nas articulações, dor nas costas e dor de artrite.

– Ação anti-inflamatória

A planta medicinal também possui propriedades anti-inflamatórias e sua casca pode ser utilizada para combater a inflamação do trato respiratório, das juntas e da artrite, por exemplo.

– Auxílio ao combate à febre 

Ainda segundo a página, a casca do salgueiro branco tem sido utilizada há centenas de anos como forma de tratar a febre. Ela é dotada de propriedades antipiréticas, o que significa que a erva ajuda a diminuir a febre.
A febre é um sintoma de que existe uma infecção no organismo e diminuí-la pode ajudar a acelerar o processo de cura e fazer com que o corpo volte logo a funcionar normalmente.
– Saúde da mulher 
Por ser analgésica, a planta medicinal pode ajudar a aliviar as dores menstruais, assim como a aspirina. Além disso, o chá preparado a partir da casca do salgueiro branco pode auxiliar a aliviar as cólicas e as alterações de humor que costumam ocorrer durante o período da menstruação.

– Saúde da pele 

Os antioxidantes encontrados na casca do salgueiro branco ajudam a aumentar o fluxo sanguíneo até a pele, seja quando a planta é aplicada topicamente, seja quando ela é consumida por meio de um chá.
A erva ajuda a reduzir a aparência de rugas e de marcas do envelhecimento. A casca da planta medicinal auxilia a combater a inflamação na pele e aliviar dores causadas pelas picadas de insetos e a irritação.

Como fazer chá de salgueiro branco 


– Chá das flores secas de salgueiro branco
Ingredientes:

  • 1 colher de chá de flores secas de salgueiro branco;
  • 1 xícara de água.

Modo de preparo:

  1. Colocar as flores secas dentro de um recipiente e reservar;
  2. Despejar a água em uma panela e levar ao fogo para esquentar. Quando alcançar a fervura, despejar em cima das flores. Tampar e deixar descansar durante 10 minutos.
  3. Então, coar e bebe o chá em seguida.

– Chá da casca do salgueiro branco

Ingredientes:
  • 1 colher de sopa de cascas cortadas de salgueiro branco;
  • 1 xícara de água.

Modo de preparo:
  1. Colocar a água em uma panela e levar ao fogo. Colocar as cascas do salgueiro branco e esperar conseguir fervura;
  2. Prestar atenção para ver quando começar a ferver. Depois que isso acontecer, deixar o conteúdo mais 10 minutos no fogo e, então, desligar;
  3. Tampar e deixar esfriar. Após, coar e consumir.

Cuidados com o salgueiro branco


Mulheres que estejam grávidas ou se encontrem no período de amamentação de seus bebês e pessoas com alergia à aspirina não podem usar a planta.
Indivíduos com diabetes, úlcera estomacal, asma, diabetes, gota, hemofilia e hipoprotrombinemia (deficiência de protrombina, proteína que atua na coagulação sanguínea) têm mais chances de serem alérgicos à aspirina e ao salgueiro branco.

Quem tem problemas gastrointestinais como úlceras, gastrite, refluxo gastroesofágico, diverticulite, diverticulose e colite ulcerosa ou espasmódica e indivíduos que utilizam medicamentos antiagregantes – indicados para o tratamento e prevenção da formação indesejada de coágulos sanguíneos – também não devem fazer uso do salgueiro branco.

Por desacelerar o coágulo sanguíneo, a erva deve ter o seu uso interrompido no mínimo duas semanas antes da realização de uma cirurgia, pois há o risco de que ela cause um sangramento excessivo durante e depois do procedimento.
Crianças e adolescentes com febre não devem exagerar no uso do salgueiro branco pois há risco de desenvolvimento da síndrome de Reye. A condição rara e grave que afeta principalmente crianças entre quatro a 12 anos de idade, causa inflamação no cérebro, rápido acúmulo de gordura no fígado e pode ser fatal.

A erva também pode diminuir o fluxo sanguíneo aos rins, podendo resultar em falência renal em algumas pessoas. Por isso, o salgueiro branco não deve ser usado com quem tem doença renal.

Além disso, quando é consumido de maneira exagerada, o salgueiro branco também pode dar origem a hemorragias.

Antes de usar a planta medicinal para ajudar a tratar qualquer condição de saúde, consulte o seu médico. E não deixe de seguir as outras recomendações do tratamento já prescrito por ele. Caso esteja usando qualquer tipo de medicamento, também converse com ele a respeito do uso o salgueiro branco como forma de se certificar de que não existe o risco de interação entre o remédio utilizado e a erva.





Um blog para quem gosta de verde, plantas e jardins
Gevão é medicinal da raiz às floresUma plantinha que abunda em todo o Brasil, da caatinga ao cerrado, nas restingas litorâneas e nos campos abertos, o gervão, é medicinal da raiz às flores. As qualidades medicinais desta planta são reconhecidas já a muito tempo aqui na nossa terra pois, a mesma sempre fez parte da farmacopeia indígena brasileira e do uso ritualístico das religiões afrobrasileiras, umbanda e candomblé. Portanto, a história do gervão já está “na boca do povo” há séculos. Para ser mais exata, desde a primeira metade do século XIX está documentado o seu uso para diversos problemas de saúde.

“Essa espécie, que cresce por toda a parte, foi necessariamente uma das primeiras que os brasileiros experimentaram nas suas enfermidades; mas, como tais experiências foram tentadas num monte de doenças que nada têm de comum entre si, e sempre se louva o remédio quando ele é acompanhado pela cura, é natural que se tenha acabado por atribuir ao Gervão propriedades muito diferentes nas diversas partes do Brasil. Essa planta é, pois, considerada, ora como estimulante, ora como febrífuga, ora vulnerária, etc, e recomenda-se àqueles que receberam fortes contusões beber o suco que se obtém de suas folhas ou beber uma infusão que se faz com elas.” (A. de Saint-Hilaire Plantas Usuais dos Brasileiros, 1824)

Gevão é medicinal da raiz às floresPara evitar confundir o gervão com outras ervas saiba que esta planta é uma Stachytarpheta cayennensis, da família botânica das Verbenaceae e no Brasil, por onde pode ser encontrada em todos os lados, tem uma infinidade de outros nomes populares: gervão-roxo, gervão-azul, chá-do-brasil rinchão, verbena, verbena bastarda, verbena silvestre, verbena azul, aguarapongá, aguará-ponda, erva-dos-sumidouros, vassourinha-de-botão, verônica, e muitos outros, variando de lugar para lugar.

No mundo científico esta plantinha tão linda, que cresce como mato na beira dos caminhos brasileiros, é estudada para controle da leishmaniose, pela Fiocruz, como antifúngica (aqui neste artigo) e qual o seu efeito na mucosa do aparelho gástrico.

Usos mais comuns do gervão

O gervão possui vários compostos químicos que são benéficos para o organismo e são esses compostos que dão a esta planta nativa as suas propriedades analgésicas, febrífugas, diuréticas, hepáticas, tônicas, antibacterianas, anti-inflamatórias e muitas outras qualidades.
Você pode fazer um chá de gervão para dores abdominais e de estômago, para febres e prisão de ventre. Também é um eficaz diurético e um tônico estimulante. Tradicionalmente o gervão é usado em casos de bronquite e catarro preso no peito.

Para ajudar a menstruação a descer, basta lavar a cabeça com a água de gervão - cozinhe a planta toda na água, deixe amornar, coe e enxágue seus cabelos.

E macerado com sal, o gervão pode ser aplicado sobre abcessos e furúnculos para os fazer reduzir.

O cozimento das raízes de gervão é um ótimo cicatrizante podendo ser usado como emplastro sobre as feridas abertas. Mas também pode ser usado o macerado de folhas e raízes frescas, que deverá ser aplicado na pele a cicatrizar.

O xarope de gervão é ótimo para o tratamento de tosses, resfriados, rouquidão e outros desconfortos do trato respiratório.

O chá de gervão é feito assim: em 500 ml de água fervida coloque duas colheres de sopa de folhas e flores de gervão fresco. Se usar o gervão seco, ponha a metade da quantidade de erva. Deixe em infusão, coberto, por 10 minutos depois do que, coe e tome uma a três xícaras por dia.

Mas, cuidado, toda planta tem suas contraindicações
O gervão pode ter efeito abortivo, portanto evite se estiver grávida. Também é um grande hipotensor pelo que, se você já tem a pressão arterial baixa, use com muito cuidado e observe a reação do seu organismo.

Como esta planta tem em sua composição traços de ácido acetilsalicílico pode causar alergia àqueles que são sensíveis demais à aspirina. 

Um blog para quem gosta de verde, plantas e jardins

Estévia é um adoçante seguro?



Será que a estévia é um adoçante seguro?

Entenda se esse substituto natural do açúcar é mesmo saudável

Entenda se esse substituto natural do açúcar é mesmo saudável
Quando se trata do uso de adoçantes, existem várias teorias favoráreis ou contrárias aos substitutos do açúcar comum. Normalmente, os especialistas condenam os produtos artificiais, como ciclamato de sódio, e recomendam os naturais, como sacarose. Mas, o que dizer da estévia (Stevia rebaudiana), planta típica da América do Sul, e que vem ganhando espaço como um dos adoçantes mais utilizados no Brasil?

As principais organizações de saúde e segurança alimentar geralmente consideram a estévia segura. O problema é que alguns pesquisadores alertam que não existem evidências suficientes para entender como os produtos adoçados com essa planta podem afetar o nosso corpo.

Na prática, a stevia é de 200 a 400 vezes mais "doce" do que o açúcar de mesa, ou seja, uma pequena quantidade é capaz de adoçar "qualquer" bebida. No mercado brasileiro, podemos encontrar a estévia em produtos como refrigerantes e chás gelados, adoçantes em pó ou líquidos, e outros alimentos comercializados como "baixo teor de açúcar", incluindo sorvetes e iogurtes.

Os adoçantes de estévia são produzidos à base de glicosídeos de esteviol, substância encontrada nas folhas da planta. A Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (European Food Safety Authority) e a Organização Mundial da Saúde (OMS) afirmam que esses compostos são seguros nas quantidades normalmente usadas. A conclusão é baseada em estudos – principalmente financiados pela indústria de alimentos – realizados em bactérias e roedores e que mostram que a estévia não causa danos ao DNA ou câncer. Pesquisas feitas em humanos também não encontraram nenhum efeito sobre a pressão arterial ou sobre o aumento do nível de glicose no sangue.

Por sua vez, o Centro para a Ciência de Interesse Público (Center for Science in the Public Interest), uma ONG internacional de defesa dos alimentos, que frequentemente critica os substitutos do açúcar, inicialmente levantou preocupações sobre os adoçantes de estévia quando chegaram ao mercado, em 2008. Na época, a entidade afirmou que a Food and Drug Administration (espécie de Vigilância Sanitária) dos Estados Unidos deveria ter exigido mais testes. No entanto, a ONG passou a classificar a estévia como um dos substitutos mais seguros do açúcar em um relatório de 2014, em parte porque a substância vem sendo usada, há muito tempo, no Japão.

Digestão

Apesar dos glicosídeos de esteviol serem quebrados por bactérias no intestino grosso, sintomas gastrointestinais como inchaço e diarreia não foram relatados nos estudos sobre o adoçante. Mas, o problema é que alguns produtos que contêm stevia também incluem algum álcool de açúcar, como o eritritol, que pode causar problemas digestivos se consumidos em grandes quantidades.

Além disso, ainda há dúvidas se o uso de adoçantes sem calorias, como a estévia, pode afetar a ingestão diária de calorias. Um estudo recente descobriu, por exemplo, que quando os participantes tomavam uma bebida adoçada com estévia em vez de açúcar, pela manhã, compensavam as calorias faltantes comendo mais no almoço, além de terem picos maiores de glicose no sangue e de insulina na hora da principal refeição do dia.

Alguns pesquisadores ainda temem que o uso a longo prazo de adoçantes não nutritivos possa ter efeitos metabólicos não intencionais. "No geral, para os adoçantes não nutritivos, não temos evidências, mas isso é especialmente verdadeiro para a estévia, que não foi extensivamente estudada", comenta a pesquisadora Meghan Azad, professora da Universidade de Manitoba, que fica na cidade de Winnipeg, no Canadá.

Azad é a principal autora de uma pesquisa que revisou estudos que trataram do uso prolongado de adoçantes não nutritivos. A conclusão é que esse tipo de substituto do açúcar pode não ser útil para a perda de peso e, em alguns casos, foi associado ao aumento da incidência de obesidade, diabetes e doenças cardíacas. No entanto, a pesquisadora não encontrou evidências sobre a estévia nessa revisão.

Um blog para quem gosta de verde, plantas e jardins
Masatruz  vermífuga, antibiótica e muito maisO mastruz é uma planta medicinal também conhecida por erva de santa maria, lombrigueira, quenopódio, ambrosina ou mentruz. 
É uma planta muito utilizada, pois seus óleos essenciais contém propriedades vermífugas, antibióticas, antifúngicas, digestivas, antioxidantes, anti-inflamatórias e cicatrizantes, por isso, é muito utilizada no tratamento de situações como bronquite ou pé de atleta, por exemplo.
Esta planta, que tem o nome científico Chenopodium Ambrosioides, cresce espontaneamente em terrenos arredores de habitações, possui folhas verde escura, alongadas e de diferentes tamanhos, suas flores são pequenas e de cor esbranquiçada, tem cheiro forte e desagradável e atinge até 70 cm de comprimento.
O mastruz pode ser comprado em alguns mercados ou em lojas de produtos naturais, na sua forma natural ou em folhas desidratadas.

Para que serve o mastruz

As propriedades do mastruz são muito utilizadas para situações como:
  • Tratamento de vermes, devido a sua ação antiparasitária;
  • Eliminação de infecções fúngicas ou bacterianas, pois tem efeito antisséptico;
  • Combate a problemas digestivos, por aumentar o suco gástrico. Confira outras opções de excelentes remédios caseiros para gastrite;
  • Trata a prisão de ventre, por aumentar a secreção e a contratilidade intestinal;
  • Ação anti-inflamatória e anti-reumática;
  • Efeito expectorante nas doenças respiratórias, pois estimula o movimentação dos brônquios e secreção de muco.
Além disso, o mastruz pode ser passado na pele, devido a sua ação emoliente, que ajuda na cicatrização de feridas e na irritação da pele, além de ser repelente contra insetos. Também pode ser utilizado como compressa, para alívio de inflamações causadas por contusões ou pancadas.

Mastruz com leite

A mistura das folhas de mastruz batidas com leite  são muito utilizadas popularmente para ajudar no tratamento de doenças respiratórias, como bronquites e tuberculose, devido a a ssociação dos efeitos fortificantes do sistema imune e expectorantes destas substâncias.

Modo de uso do mastruz

A forma mais comum de utilizar as propriedades do mastruz é com a infusão de suas folhas, preparando um chá:
  • Infusão de mastruz: colocar uma xícara de café, da planta fresca com sementes, em 500 ml de água fervente e deixar repousar por 10 minutos. Depois coar e beber uma xícara de 6 em 6 horas. Esta infusão é indicada para o tratamento de problemas de estômago.
Além das folhas, podem ser usadas as flores e sementes em infusões, misturado com leite, tintura, xarope, extrato ou essência, no tratamento de uso interno ou compressas.

Para que serve a planta Mastruz e efeitos
Para que serve a planta Mastruz e efeitos

Efeitos colaterais do mastruz

Os efeitos colaterais do mastruz incluem irritação na pele e mucosas, dor de cabeça, vômito, palpitações, danos no fígado, náuseas e transtornos visuais caso seja usado em doses elevadas.

Matruz é abortivo?

Em altas doses, as propriedades do mastruz podem atuar alterando a contratilidade dos músculos do corpo, por isso, pode ter um efeito abortivo, em algumas pessoas, sendo desaconselhado o seu uso por mulheres gestantes.
Confira outras plantas perigosas por serem potencialmente abortivas, que devem ser evitadas na gravidez.

Quem não deve usar

O mastruz é conta indicado no caso de gravidez e em crianças com menos de 2 anos. O mastruz é uma erva medicinal que pode ser tóxica, e a orientação médica é necessária para definir a dose recomendada.
Um blog para quem gosta de verde, plantas e jardins
http://www.verdeefolha.com/search/label/ervas%20medicinaisQuebra-pedra é uma planta medicinal que também é conhecida como Pimpinela branca, Saxífraga, Arranca-pedras, Quebra-panela, Conami ou Fura-parede, e que traz benefícios para a saúde como:
  • Tratar e prevenir pedras nos rins e aliviar os sintomas de dor;
  • Prevenir pedras na vesícula;
  • Ajuda a emagrecer por ter ação diurética;
  • Aliviar os sintomas da azia;
  • Melhorar a prisão de ventre;
  • Combater as dores porque tem ação analgésica;
  • Combater vírus porque inibe a reprodução do DNA do vírus;
  • Combate espasmos musculares e atua como relaxante muscular;
  • Controlar a diabetes por ajudar a baixar o açúcar no sangue;
  • Combater infecções no fígado, como hepatite B;
  • Proteger o fígado de intoxicações;
  • Ajuda a controlar a pressão arterial por facilitar a eliminação de sódio;
  • Atuar como antioxidante.
O nome científico da quebra-pedra é Phyllanthus niruri, e ela pode ser comprada em lojas de produtos naturais, farmácias de manipulação e feiras livres.
A quebra-pedra nasce em períodos de chuva em praticamente todo território brasileiro, sendo encontrada facilmente em jardins, fendas de calçada ou terreno baldio. 

Como usar

A quebra-pedra tem sabor amargo inicialmente, mas a seguir torna-se mais suave. As formas de uso, são:
  • Infusão: 20 a 30g por litro. Tomar 1 a 2 xícaras por dia;
  • Decocção: 10 a 20g por litro. Tomar 2 a 3 xícaras por dia;
  • Extrato seco: 350 mg até 3 vezes ao dia;
  • Pó: 0,5 a 2g por dia;
  • Tintura: 10 a 20 ml, divido em 2 ou 3 doses diárias, diluídas num pouquinho de água.
As partes utilizadas da quebra-pedra são a flor, a raiz e as sementes, que podem ser encontradas na natureza e industrialmente na forma desidratada ou como tintura. 

Como preparar o chá

Ingredientes:
  • 20g de quebra-pedra
  • 1 litro de água
Modo de preparo:
Ferver a água e adicionar a planta medicinal e deixar repousar por 5 a 10 minutos, coar e tomar a bebida morna, de preferência sem utilizar açúcar.

Quando não deve ser usada

O chá de quebra-pedra está contraindicado para crianças menores de 6 anos e para mulheres grávidas ou que amamentam porque ela possui propriedades que atravessam a placenta e chegam até o bebê podendo causar aborto, e também passa pelo leite materno mudando o sabor do leite.
Além disso, não se deve tomar este chá por mais de 3 meses seguidos, devendo-se dar uma pausa de pelo menos 2 semanas antes de recomeçar o tratamento com a quebra-pedra.
Um blog para quem gosta de verde, plantas e jardins
http://www.verdeefolha.com/search/label/ervas%20medicinais
Essa erva também é conhecida por erva-de-santa-maria
(Foto: Reprodução/Wikimedia Commons)

Os benefícios e modos de usar o mastruço.

O mastruço pode ser usado no tratamento e cura de muitas enfermidades, principalmente pelo poder digestivo e expectorante.
A julgar pelas peculiaridades do nome de algumas plantas, nem sempre as pessoas têm ideia do quão elas podem ser vantajosas para a saúde. Esse é o caso do mastruço. Essa planta pode ser usada no processo de tratamento e cura de muitas enfermidades, principalmente pelo poder antibiótico, digestivo, expectorante, colerético, antisséptico e depurativo que o mastruço apresenta.

O mastruço é encontrado na América do sul e também no sudeste do Brasil e pode alcançar até 70 centímetros de comprimento. Trata-se de uma erva anual que também pode ser conhecida por erva-de-santa-maria. Entre os diversos benefícios, ela pode ser usada para acabar com as dores musculares e limpar o organismo, retirando as toxinas e resíduos que podem causar complicações.

No que diz respeito às suas características físicas, o mastruço possui folhas divididas com flores de tamanho pequeno e de cor branca. Já em relação ao fruto, eles são de tamanho mediano e possuem duas sementes no seu interior. O mastruço possui um cheiro bem peculiar que agrada a maioria das pessoas. Porém, quando é bem amassado libera um odor que se parece com agrião.

Essa última característica apresentada surge a partir da presença do óleo essencial que contém uma substância com utilidades que se parecem com os benefícios do antibiótico, antiviral, antibacteriano e até antitumoral. Para conhecer muitas outras propriedades vinculadas ao uso do mastruço, acompanhe esse texto até o fim. Você vai se surpreender com algumas delas!

Benefícios do mastruço

Quando relacionado à saúde, o mastruço possui grandes benefícios, a julgar pela ação antibiótica, colerética, digestiva, expectorante e tônica pulmonar que a planta apresenta. Dessa forma, ela pode ser usada para combater problemas como anemia, bronquite, contusões e dores musculares, escorbuto, escrofulose, gota, infecções respiratórias, raquitismo, vermes e excesso de ácido úrico.

Como se ainda não fosse o suficiente, o mastruço ainda elimina o catarro brônquico e muco espesso. Os pacientes que apresentam problemas como reumatismo e traumatismos também podem fazer uso da substância. Para quem sofre com problemas digestivos e infecção por vermes, no caso de solitária, pode usar a erva para combater o parasita.

Como usar o mastruço

Dependendo do problema que se deseja tratar a partir da utilização do mastruço, ele pode ser usado de diferentes formas. Porém, antes de recorrer a qualquer uma dessas formas, a indicação é que o médico seja consultado. Esse profissional possui conhecimento suficiente para testificar o uso correto da substância a fim de evitar que outros problemas sejam desenvolvidos a partir do mau uso.

Veja também: Quais plantas são tóxicas e venenosas e portanto não servem para chás  

Uso tópico do mastruço

Para os problemas vinculados ao reumatismo, contusões, dores musculares, feridas, bronquite e úlceras externas, existe uma forma bem fácil de usar o mastruço.

Ingredientes

– 3 colheres (de sopa) de folhas, flores e semestres frescas de mastruço;
– Um pouco de água filtrada.

Modo de preparo

Para preparar o mastruço você vai precisar de um pilão. Acrescente a planta no pilão e amasse bem, acrescentando água aos poucos. O ponto ideal é quando o ingrediente assumir textura pastosa. Depois de pronto, aplique na região que deseja tratar. Para isso, utilize um pedaço de pano, gaze ou algodão. Deixe agir por duas horas e depois é só lavar o local.

Mastruço para problemas respiratórios

O mastruço preparado na forma de xarope pode ser usado para combater os problemas de ligados as vias respiratórias.

Ingredientes

– 1 colher (de sopa) de folhas, flores e sementes picadas mastruço;
– 2 xícaras de café de açúcar cristal;
– Água fervente.

Modo de preparo

Coloque uma colher (de sopa) de folhas, flores e sementes picadas em uma xícara de café e adicione água fervente. Deixe abafando por 10 minutos, coe e acrescente duas xícaras (de café) de açúcar cristal. Leve ao fogo até o açúcar dissolver. A indicação é que o xarope seja consumido em três doses diárias. Para tanto, use a medida de uma colher de sopa. Para o tratamento em crianças, use uma colher de chá.

Veja também: Conheça 19 plantas constatadas pela Nasa como purificadoras do ar

Mastruço para problemas digestivos

Para aliviar aquele peso no estômago, ajudando na digestão dos alimentos, além de estimular as funções hepáticas, o mastruço pode ser usado na forma de chá.

Ingredientes

– 1 colher (de sopa) de folhas, flores e sementes de mastruço;
– 1 xícara de chá de água filtrada.

Modo de preparo

Com ajuda de uma panela com tampa, leve a água ao fogo até começar a ferver. Chegando nesse ponto, desligue o fogo e acrescente o mastruço.

Deixe a mistura descansando por 10 minutos. Lembre-se de deixar o recipiente tampado. Passado esse tempo, use uma peneira para remover todo o mastruço e a bebida estará pronta. A indicação é de ingerir o chá de mastruço duas vezes ao dia, antes das principais refeições.

Outras formas de usar o mastruço

Quando macerada, a planta pode ser usada na forma de compressas, abluções e banhos, com fins diuréticos, vermífugos, sudoríficos, tratamento de infecções pulmonares e contusão, além de agir como cicatrizante. As folhas, quando cozidas com sal, podem ser aplicadas na pele para tratar afecções da pele, distúrbios renais, cólicas, dores de estômago e tuberculose. Além disso, em ramos, a planta pode ser usada para eliminar pulgas e percevejos quando colocada em baixo dos colchões.

Efeitos colaterais do mastruço

Para toda e qualquer dúvida em relação a utilização do mastruço, a dica é buscar orientação médica. A planta nunca deve ser consumida em altas doses, pois pode se tornar tóxica levando até a morte. Para as mulheres que estão esperando bebê ou que estão amamentando, devem ficar longe do mastruço, pois a planta possui efeito abortivo. As crianças menores de dois anos não devem fazer uso da planta.

Veja como nos acompanhar: Verde e Folha

O óleo essencial contido no mastruço pode causar sintomas como náuseas, vômitos, depressão do sistema nervoso, lesões hepáticas, surdez, transtornos visuais, problema no coração e no sistema respiratório.

As sementes podem estimular o aparecimento de tumores no estômago, assim como irritação nos órgãos como, por exemplo, nos rins. Além do mais, o paciente pode ser acometido por irritação e dores de cabeça, vertigem e colapso circulatório.

Onde encontrar o mastruço

O mastruço pode ser encontrado em lojas especializadas na venda de ingredientes naturais ou em feiras livres. Nos mercados de produtos orgânicos e ervas o ingrediente também está presente. Para as pessoas que sentirem dificuldade em encontrar a erva, ela também está disponível na internet em sites especializados na venda de erva.
Um blog para quem gosta de verde, plantas e jardins

Jardim Botânico tem curso livre de ervas medicinais
Para participar, basta comparecer ao local toda terça e quinta-feira, a partir das 14h.

Primeiro vem a observação. Depois, a identificação de cada planta, sua cor, cheiro, textura, formato das folhas, se ingerida como chá, em salada, banho, ou aplicada sobre a pele. Em meio aos canteiros do Jardim Botânico Chico Mendes, a tradição milenar da história oral se perpetua através do curso livre de ervas medicinais. 

Para participar, não é necessário fazer inscrição, basta comparecer toda terça e quinta-feira, das 14h às 16h45. O endereço é R. João Fracarolli, s/nº - Bom Retiro.
Um blog para quem gosta de verde, plantas e jardins
Tratamento natural da menopausa com ervas

Nem todas as mulheres experimentam os sintomas da menopausa; no entanto, para aquelas que os experienciam, o tratamento natural da menopausa pode ajudar a reduzir a uma ampla gama de sintomas que podem trazer tormento para a terceira idade de uma mulher. A menopausa é o resultado da mudança hormônios, especificamente do estrógeno e da progesterona.

A Mayo Clinic relata que 40 por cento ou mais das mulheres experimentam sintomas significativos. Conforme o corpo se reequilibra para os anos do período pós-fértil, sintomas como suores noturnos e ondas de calor, secura vaginal, sangramento, irritabilidade, mau humor e depressão podem aparecer. O tratamento natural da menopausa com ervas, alimentos medicinais e remédios homeopáticos podem oferecer alívio no lugar da perigosa TRH (Terapia de Reposição Hormonal).

Tratamento com ervas

Cimicifuga racemosa contém um estrogênio à base de plantas que ajuda a regular os hormônios, oferecendo alívio para uma ampla gama de mulheres com os sintomas da menopausa, como secura vaginal, prurido, mau humor, depressão e ondas de calor.

Wild Yam é um excelente tratamento natural da menopausa para regular os hormônios, especialmente a progesterona. Este hormônio tem um papel no controle do humor, e é usado para ajudar na depressão, mau humor, irritabilidade e raiva.

Ginseng tem sido usado pelos chineses há milhares de anos para muitas condições de saúde, incluindo o tratamento da menopausa. É especialmente útil para manter as paredes vaginais macias e saudáveis, evitando a secagem, rompimento e dor. O ginseng ajuda a aliviar a insônia, mau humor e ondas de calor.
O Chá de Folha de Amora tem se mostrado ser uma excelente ajuda para trazer alívio aos sintomas da menopausa. Veja nosso post “O Milagre do Chá de Folhas de Amoras“, em especial leia as dezenas de comentários de relatos do benefício deste chá.

Alimentos medicinais

Os fitoestrógenos contêm estrógenos de base vegetal chamados isoflavonas que proporcionam alívio natural para as mulheres com sintomas de menopausa. Em um estudo realizado na Universidade de Nápoles, Itália, em 2005, foi relatado que as isoflavonas foram eficazes em reduzir as ondas de calor e aliviar a secura vaginal durante a menopausa. A quantidade recomendada é de 45 gramas por dia.
Os fitoestrógenos são encontrados em uma variedade de alimentos como gergelim e sementes de linhaça, chá de trevo vermelho e soja. Embora os produtos não fermentados de soja não sejam recomendados, os produtos de soja fermentados, como tempeh, miso e natto contêm grandes quantidades de fitoestrogênios, os quais ajudam os hormônios durante e após a menopausa. Certifique-se de consumir apenas produtos orgânicos, que não contenham soja transgênica. Outros alimentos com efeitos estrogênicos são os brotos de alfafa, maçãs, cevada, cenouras, cerejas, grão de bico, feijão-fradinho, beterraba, alho, aveia, azeite de oliva e sementes de girassol.

Sementes de linhaça e óleo de linhaça são altamente elogiados como um dos melhores alimentos para os tratamento estrogênicos naturais da menopausa. Eles são ricos em isoflavonas, lignanas e ácido alfa-linolênico, que são convertidos durante a digestão em ácidos graxos ômega-3. Adicionar semente de linhaça diariamente à dieta pode ajudar a aliviar uma variedade de sintomas. Nunca aqueça as sementes de linhaça ou o óleo de linhaça, pois isso destrói suas propriedades nutricionais.

Homeopatia para a menopausa

A homeopatia oferece vários tratamentos naturais da menopausa  com vários remédios sendo destaques para proporcionar alívio dos sintomas.
Cimicifuga alivia todos os sintomas da menopausa, incluindo suores noturnos e ondas de calor, secura vaginal, sangramento e alterações de humor. É especialmente indicada para as mulheres que experimentam as dores artríticas nas articulações das mãos, dores de cabeça, no lado direito da cabeça e pescoço e depressão.
Lachesis é bem adequado para as mulheres que experimentam ondas de calor extremas, tanto de dia como de noite. O calor noturno pode ser pior do que o durante o dia. Pode haver dores de cabeça no lado esquerdo e enxaquecas. A mulher que precisa de Lachesis é muitas vezes muito falante; e pode ser verbalmente desagradável, tornando-se cruel, cortando observações. Essas mulheres tendem a estar nervosas o tempo todo e podem implorar por bebidas alcoólicas.
Sépia é um tratamento natural para muitos sintomas da menopausa. A mulher que precisa de sépia pode ser fria a maior parte do tempo, exceto durante as ondas de calor. Ela pode chorar facilmente e desejar extenuante exercício ou atividade física, que muitas vezes aliviam os sintomas temporariamente. A sépia proporciona alívio para a tristeza, indiferença, mau humor, secura vaginal e dor durante a relação sexual.