Articles by "Jardins"
Mostrando postagens com marcador Jardins. Mostrar todas as postagens
Um blog para quem gosta de verde, plantas e jardins

Conheça belos jardins no Brasil
Confira alguns destinos para aproveitar a época mais alegre do ano
A estação das flores, época em que várias espécies desabrocham, tem seu início no dia 22 de setembro com o fim do inverno, quando ocorre o fenômeno do equinócio. Nessa fase a Terra encontra-se iluminada o que torna os dias e noites com durações iguais, e na maior parte das regiões brasileiras o período é marcado pelo aumento gradativo de calor e incidência de chuvas. 
Jardim Botânico (RJ)
Conheça belos jardins no Brasil
Importante ponto turístico da cidade, ele conta com uma área de 137 hectares, sendo 54 delas são cultivadas, além de abrigar coleções raras de espécies de flores como bromélias e orquídeas, árvores centenárias e plantas exóticas. O jardim conta com obras do século 16, e guarda um rico patrimônio histórico e cultural como o Jardim Japonês, criado em 1935 a partir da doação de 65 espécies de plantas típicas do Japão.
Jardim Botânico (Curitiba)
Conheça belos jardins no Brasil
Importante ponto turístico da cidade, ele conta com uma área de 137 hectares, sendo 54 delas são cultivadas, além de abrigar coleções raras de espécies de flores como bromélias e orquídeas, árvores centenárias e plantas exóticas. O jardim conta com obras do século 16, e guarda um rico patrimônio histórico e cultural como o Jardim Japonês, criado em 1935 a partir da doação de 65 espécies de plantas típicas do Japão.
Jardim Botânico (Curitiba)
Inaugurado em 2007, o Parque Amanykir Garden fica localizado em Campos do Jordão, cidade do interior de São Paulo. Apresenta jardins de várias partes do mundo em meio a Serra da Mantiqueira e conta com mais de 700 espécies de plantas harmoniosamente divididas ao longo dos 60 mil metros quadrados. Aberto à visitação durante todo o ano, seus 26 jardins mostram, por meio da beleza, um pouco da cultura de cada país.
Instituto Inhotim (MG)
Conheça belos jardins no Brasil
Inaugurado em 2007, o Parque Amanykir Garden fica localizado em Campos do Jordão, cidade do interior de São Paulo. Apresenta jardins de várias partes do mundo em meio a Serra da Mantiqueira e conta com mais de 700 espécies de plantas harmoniosamente divididas ao longo dos 60 mil metros quadrados. Aberto à visitação durante todo o ano, seus 26 jardins mostram, por meio da beleza, um pouco da cultura de cada país.
Instituto Inhotim (MG)
Conheça belos jardins no Brasil
Conheça belos jardins no Brasil
Considerado um dos pontos turísticos mais famosos de Gramado, cidade localizada no Rio Grande do Sul, esse lago guarda uma história peculiar. Em 1942, grande parte das árvores foram totalmente queimadas e para tentar conter o fogo, moradores abriram uma fenda no chão, onde encontraram uma vertente que mais tarde seria transformada em um lago artificial, o Lago Negro. Atualmente suas águas escuras e profundas são envolvidas pelo verde das árvores. O parque possui uma área total de quase 90 mil metros quadrados e a do lago de 17 mil m². A visita ao lago é recomendada a qualquer hora do dia, já que o local está sempre movimentado, e onde hortênsias e azaleias se revezam a cada estação em suas margens.
Um blog para quem gosta de verde, plantas e jardins
Vários estilos de jardins
É fundamental estudar a história dos jardins, pois é o reflexo do relacionamento humano com a natureza. 
A própria palavra jardim vem da junção do hebreu “gan” (proteger, defender) e “éden” (prazer, delícia) e expressa de certa forma a imagem de um pequeno mundo ideal, perfeito e privativo. 
Portanto, os grandes jardins da história são como um vocabulário do desenho idealizado da paisagem, como cada civilização desejava que ela fosse. É sobre essa tradição que se assentam nossas práticas e posturas em relação à paisagem.
Vários estilos de jardinsJardim é um terreno onde se cultivam plantas ornamentais, úteis ou para o estudo, é também uma obra de arte, com elementos vivos e inertes, no qual o homem procura, nos momentos de lazer, um contato com a natureza. Estão presentes em todo percurso da história da humanidade e, certamente, em suas origens se vinculam à da própria agricultura, com a domesticação das primeiras plantas úteis, ainda na pré-história. Ao longo de toda história ocorre transformações que podem ser caracterizadas pelos estilos próprios de cada época e cultura.
Pérsia, China e Egito foram os locais das mais antigas civilizações conhecidas, e são no geral regiões áridas. Água sempre foi um recurso fundamental, e irrigação uma palavra mágica. Num clima quente e seco, sombra e água fresca são tudo o que se quer, e assim os primeiros jardins incluíam tanques, canais de irrigação e árvores para sombra. O desenho e as plantas utilizadas tinham a agricultura como referência: árvores frutíferas, condimentos, plantas de uso ritual e muita linha reta. No Egito, o religioso era um traço marcante nos jardins dos faraós, com plantas sagradas como o lótus, o papiro e a tamareira.
Vários estilos de jardins
A partir do renascimento, durante o século XVI, surgiram três estilos de jardins europeus que influenciaram toda a jardinagem, o italiano, inglês e francês. Contudo pode-se considerar que existem pelo menos cinco estilos básicos de jardins, todos eles influenciados pelos antigos estilos e que sofreram evolução:
Jardim Clássico ou formal: Possui equilíbrio rígido e formal, um desenho geométrico, se caracteriza por apresentar: linhas geométricas e simetria do traçado, círculos, retângulos, triângulos e semicírculos, combinam-se para compor uma paisagem desenhada com régua e compasso. Este estilo de jardim vem da época do esplendor na França e na Itália. Nele não podem faltar sebes baixas e rigorosamente aparadas, que emolduram canteiros onde as flores exercem um papel apenas secundário. Figuras de topiarias, esculturas clássicas e fontes fazem o complemento ideal.
Vários estilos de jardinsJardim naturalista ou informal: Também chamado de estilo Inglês, rompe a retidão e simetria das linhas e distribuição dos maciços promovendo uma nítida aproximação com a natureza. Predominado pelas linhas curvas das alamedas, conduz à observação tanto de pontos de destaque, através de espaços deixados entre maciços, quanto de impedir totalmente a vista do observador, através da implantação de maciços em locais estratégicos, causando a impressão, de se estar caminhando dentro de uma mata fechada. Nos parques de Estilo Inglês, estão presentes grandes gramados, com amplos caminhos e se valoriza a topografia do terreno. Plantas floríferas compõem grandes manchas coloridas sobre o verde, onde árvores aparecem em pequenos grupos. A mais antiga menção de ajardinamento, vem da China, onde o homem agrupou plantas tentando imitar a natureza e este foi o embrião do Estilo Paisagístico (Inglês).
Estilo Desértico ou Rochoso: Mostra uma paisagem árida, caracterizando um pequeno oásis ou um pé de serra na região de cerrado. Uso de pedriscos e areia grossa, no lugar dos gramados, para forrar o solo é bastante comum. Os cactos e as chamadas plantas suculentas se integram facilmente a esse estilo. Uma ou outra palmeira de regiões áridas como a macaúba e o licuri, arvoretas de tronco retorcido além de arbustos esgalhados também podem fazer parte desse tipo de jardim.
Vários estilos de jardinsEstilo Oriental: Este jardim muitas vezes é um jardim em miniatura, composto por um desenho rígido e simples, arquitetado com bonsai. O jardim oriental utiliza magnólias, azaléias, coníferas, bambus, pedras e sempre possuem um recanto aquático. Este jardim tem como objetivo pacificar o espírito, equilibrá-lo em contato com a natureza e abri-lo a meditação. É cheio de simbolismo, tem como um de seus principais fundamentos o culto à Natureza. Em decorrência disso alguns elementos têm presença quase obrigatória em um jardim japonês ou oriental. Pedras de rio, dispostas a sugerir que a própria natureza as colocou ali, e em numero impar, preferivelmente três, cinco ou sete (números da felicidade). Água seja formando pequenos lagos, riachos ou cascatas, para induzir o homem a enxergar-se a si mesmo. Lamparinas de pedras, que representam o espírito bom e iluminado, que afastam a negritude do mal. E o uso de poucas plantas, mas de grande beleza e ocupando lugar de destaque são características presentes neste estilo.
Jardim Tropical: O expoente máximo dentro do jardim tropical foi à criação de Burle Marx. Seus jardins passaram a valorizar nossas plantas e folhagens, e num movimento de antítese aos jardins europeus, o mestre direcionou-se para suas nuances e texturas, relegando a segundo plano o uso de flores delicadas e românticas.    Seu uso de plantas estruturais e gigantes, e seu estilo natural, valorizaram as nossas matas, como fontes de inspiração para os jardins. O jardim tropical tenta criar um ambiente paradisíaco de uma ilha tropical, com a presença de muito verde e muitas flores. Neste estilo é fundamental um gramado, uma área sombreada e talvez uma cascata ou uma lâmina d’água.
Nos tempos atuais o estilo Contemporâneo é o mais aplicado. As composições são mais limpas, menos rebuscadas. As plantas estão dispostas de maneira organizada, procurando efeitos agradáveis e surpreendentes. É um estilo livre que tenta alcançar uma integração entre o jardim e a arquitetura local, não havendo rigidez quanto a sua composição.
Um blog para quem gosta de verde, plantas e jardins

Plantas rasteiras para seu jardim
Vamos conferir algumas plantas rasteiras que você pode usar em seu jardim e deixar ele mais bonito? Muitas vezes você precisa de plantas rasteiras para dar um ar mais bonito para o local. Não importa o tamanho do seu jardim, ele pode ser bem pequeno, mesmo assim é possível usar esse tipo de planta.

É importante lembrar que a maioria das plantas rasteiras crescem muito e rapidinho vão tomar conta do jardim. Não é uma espécie de planta daninha, mas você precisa tomar cuidado e sempre que possível e achar necessário deve podar. Já falei outras vezes sobre jardim aqui, não deixe de conferir. Tem uma categoria especial de paisagismo.

Sem mais delongas vamos conhecer essas 11 espécies de plantas rasteiras que você pode usar. Devo avisar que vai ser difícil encontrar sua preferida.

Plantas rasteiras para jardim

Separei plantas que chegam em alturas mínimas, pois se é rasteira não pode crescer demais. Por isso você vai ver aqui plantas que chegam no máximo a 20 cm.

Plantas rasteiras para seu jardim
Hera
Hera
A menor de todas, é uma espécie de forração que chega a 4 m de comprimento. Não tem flores, ela é muito usada também em jardim vertical, principalmente em muro. Exige sol pleno ou meia-sombra. É tolerante ao frio.

Plantas rasteiras para seu jardim
Grama-amendoim
Grama-amendoim
É uma planta rasteira um pouco maior, pode chegar até 20 cm de altura, vai florescer na primavera e no verão. É linda, suas folhagens formam um denso colchão verde e isso dispensa podas periódicas. Ela precisa de sol pleno ou meia-sombra e tolera secas.

Plantas rasteiras para seu jardim
Rosinha-de-sol
Rosinha-de-sol
Essa planta com nome bonitinho cresce cerca de 10 cm a 15 cm de altura, vai florescer o ano todo e é ótima para impedir o crescimento de ervas daninhas. A rosinha-de-sol precisa de sol pleno e irrigação somente em intervalos longos.

Dinheiro-em-penca

Plantas rasteiras para seu jardim
Lambari
Uma planta que pode crescer até 20 cm de altura, sua floração não tem uma estação definida, tem flores pequenas e pouco vistosas. Quando é mantida no sol pleno a folhagem ganha um tom arroxeado e precisa estar no sol ou meia-sombra.

Lobélia-azul
Plantas rasteiras para seu jardim
Lobélia-azul
A lobélia-azul atinge o mesmo tamanho da lambari, cerca de 20 cm de altura no máximo. Ela floresce no verão e primavera e depois da floração você precisa remover as flores para que ela ganhe vigor. Precisa de sol ou meia-sombra e gosta do clima frio.

Trevinho-amarelo
Plantas rasteiras para seu jardim
Trevinho Amarelo
É fofo, floresce em abundância na primavera e verão, cresce de 15 cm a 20 cm de altura. Uma curiosidade é que ela floresce ainda mais intensamente em regiões de altitude.

Rosa-de-pedra
Plantas rasteiras para seu jardim
Rosa-de-pedra
É uma suculenta, cresce por volta de 15 cm a 20 cm de altura. Floresce o ano todo e enraíza melhor quando mantida em ambientes com temperatura e umidade do ar elevadas, mas também tolera climas mais frios. Gosta de pouca água como todas as suculentas.

Rabo-de-gato
 plantas rasteirasEla floresce o ano todo e o formato das suas flores faz jus ano nome da planta, é uma gracinha. É um tipo de planta rústica, e pode ser usada também como trepadeira. Precisa de sol pleno sol ou meia-sombra.

Periquito-vermelho
Plantas rasteiras para seu jardim
Periquito-vermelho
Floresce no verão e tem flores pequenas, mas o visual colorido da folhagem, em tons de verde, marrom e vermelho, é ornamental. Exige sol pleno e regas frequentes. Prefere o calor.

Pronto, agora você já conhece 11 espécies de plantas rasteiras que você pode usar em seu jardim e deixar ele mais bonito. Não esqueça de compartilhar com seus amigos para que eles também conheçam essas espécies. Se tiver alguma dúvida deixe seu comentário que posso ajudar.
Um blog para quem gosta de verde, plantas e jardins

Cuidados com teu jardim no verãoO verão brasileiro possui peculiaridades regionais que precisam ser consideradas quanto ao cuidado com os jardins, pomares, hortas e espaços verdes em geral. 

Devido às recentes mudanças climáticas podem haver regiões onde o volume de chuva aumenta demais ou os períodos de estiagem se estendam por mais tempo do que o era considerado normal. 


A incidência de sol também é algo que precisa ser observado, além de cuidados com manejos específicos e conhecer quais flores, arbustos e demais plantas vicejam tipicamente nessa época do ano. Iremos pontuar alguns tópicos para melhor visualização. 



Cuidados com teu jardim no verãoAdubação e replantio – Quem deseja fazer transferências de mudas e mesmo de espécies já formadas que precisam de espaço para a expansão dos rizomas (raízes) pode fazê-lo pois o verão é propício a isso. 

Prepare a terra com matéria orgânica ou mesmo fertilizantes industrializados, sempre seguindo as recomendações adequadas a cada espécie. Mantenha a umidade do solo sempre alta nas primeiras semanas para que as raízes se adaptem à mudança sem traumas. 


Regas – Um olho no gato, outro no peixe, dizia o antigo provérbio. Isso vale muito para a quantidade de água necessária às suas plantas durante o verão. O calor faz com que o solo perca umidade rapidamente, mas é preciso atenção também aos períodos chuvosos. Atenção ao substrato; não o deixe seco e evite encharcá-lo. O equilíbrio hídrico é essencial para manter a planta saudável e sem pragas e fungos. 


Podas – Com exceção da grama, que precisa ser sempre aparada independentemente da estação do ano, é preciso evitar os cortes nas plantas, pois o verão é a época da formação e crescimento dos brotos. Só retire galhos mortos e aposente por três meses a tesoura de poda. 


Iluminação – O sol é literalmente o astro-rei no verão, por isso atente à reação de cada planta à luminosidade. Espécies que crescem a pleno sol geralmente não precisam de grandes mudanças, mas se alguma planta começar a dar sinais de perda de viço, caso das que preferem a chamada meia-sombra, verifique se não será necessário fazer uma troca de lugar de vasos ou alguma cobertura para evitar a incidência direta de raios do sol. 


Cuidados com teu jardim no verãoPragas e fungos – A estação mais quente do ano é a chamada alta temporada das pragas. Cuidado com os fatores que possam contribuir para a infestação de pragas, como o excesso ou falta de sol, o excesso de umidade ou circulação de ar ineficiente. Evite o uso de pesticidas e prefira sempre manejos chamados ecologicamente corretos. Não se esqueça do mosquito da dengue; vasos ou plantas que retêm água precisam ser vistoriados com maior frequência para evitar a proliferação de potenciais criadouros. 



Espécies típicas do verão: 


- Hibisco (Hibiscus rosa-sinensis); 
- Antúrio (Anthurium andraeanum); 
- Gérbera (Gerbera); 
- Helicônia (Heliconia rostrata); 
- Copo-de-leite (Zantedeschia aethiopica); 
- Sapatinho-de-judia (Thunbergia mysorensis); 
- Orquídeas; 
- Estrelítzia (Strelitzia reginae); 
- Capuchinha (Tropaleum majus). 





Fonte:jardinagemepaisagismo 

Um blog para quem gosta de verde, plantas e jardins
Jardins e flores no InvernoNo Brasil, quando falamos em inverno a imagem que criamos é muito mais agradável do que uma paisagem coberta de neve, árvores com galhos secos e desfolhados e ausência completa de flores. Com os devidos cuidados, as plantas dos jardins e dos vasos podem resistir bem aos efeitos do frio, chegando bonitas e sadias na primavera. 


Além disso, muitas espécies enfeitam e colorem nosso inverno, pois florescem nesta época. 



As plantas de interior devem ter suas regas reduzidas. Nesta época do ano, com a redução do calor, diminui também a necessidade de água nas plantas. Todo o excesso de umidade acaba sendo convertido em problemas: apodrecimento das raízes, proliferação de fungos e insetos sugadores, etc.


Acima: Ciclame (Cyclamen persicum) 


Quanto às adubações, são recomendadas apenas para as plantas que se desenvolvem e florescem no inverno (veja em Plantas da Estação). Árvores, arbustos e cercas-vivas podem ser podados nesta época, desde que não estejam florindo. O período também é bom para fazer o transplante de trepadeiras, arbustos e árvores que estiverem em seu período de dormência. 



Jardins e flores no InvernoEm julho e agosto, as roseiras devem ser podadas e adubadas com adubo orgânico. É a chamada poda anual das roseiras. A sabedoria popular afirma que o período mais própício para a poda é a Lua Minguante, quando o fluxo de energia da planta se volta para as raízes (na dúvida, não custa tentar...). 



Em regiões mais frias, é recomendável aguardar a passagem das geadas sendo, portanto, o final do inverno o período mais indicado. Já nas regiões mais quentes, onde as geadas são quase raras, a poda pode ser feita no mês de julho. 



De qualquer forma, é importante saber que as podas são muito importantes para as roseiras, para incentivar o surgimento de novos brotos e aumentar a floração. E atenção: o corte deve ser feito em diagonal, sempre 1 cm acima da gema mais próxima. 



E ainda falando sobre as roseiras, por ocasião da poda recomenda-se uma adubação, aplicando a seguinte mistura: 
.20 litros de esterco curtido ou composto orgânico 
.200g de farinha de osso 
.100g de torta de mamona 
Espalhe a mistura em volta das plantas e incorpore-a ao solo. 




Gramados: um capítulo à parte 




Muita gente fica preocupada com o gramado durante o inverno e, às vezes, exagera nos cuidados. Nos meses frios, a grama merece realmente alguns cuidados: limpeza, aeração e cobertura, mas sem dramas! 



1. Limpeza: Deve começar com a retirada das ervas daninhas, de preferência manualmente para que sejam extirpadas as raízes. Depois disso, a grama pode ser aparada. 



2. Aeração: Após o corte, é recomendável recolher o excesso de aparas, pois durante o inverno é preciso garantir a aeração do gramado. Retire os restos do corte com um ancinho ou uma vassoura de arame - a tarefa vai melhorar a aeração e a luminosidade e, ainda, diminuir a temperatura e umidade junto à grama, fatores que facilitam o surgimento de doenças. 
Outra medida que contribui para aumentar a circulação de ar entre as raízes da grama é fazer perfurações finas e profundas no solo, manualmente, usando uma ferramenta apropriada. É preciso, entretanto, tomar cuidado para não perfurar e danificar demais as folhas. 



3.Cobertura: Em algumas regiões onde o inverno não é muito rigoroso, costuma-se dispensar a cobertura do gramado. Entretanto a prática não é indicada apenas como proteção contra o frio e geadas. A cobertura com terra vegetal incorpora ao solo alguns nutrientes e também ajuda a nivelar o gramado, cobrindo eventuais buracos. Não é preciso adicionar adubo à terra - nesta época a grama está em estado de repouso e a adubação não será bem aproveitada. 
Também não é preciso "soterrar" a grama: uma camada de no máximo 3 cm de altura é suficiente para cumprir a função. Caso o gramado apresente falhas, aproveite para corrigi-las antes da cobertura, completando as áreas com pedaços de placas de grama da mesma espécie. Após a cobertura, regue o gramado para ajudar a incorporar a terra. 
Um blog para quem gosta de verde, plantas e jardins

Um dos principais cuidados que se deve ter é com a rega, já que o frio reduz a necessidade de água. As plantas devem ser hidratadas sempre pela manhã, isso em qualquer estação, mas, principalmente, nos meses mais frios. 

Aprenda a manter o jardim no outono e inverno
Boca-de-leão 
De acordo com Denise Kampmann, técnica em floricultura e jardinagem em Joinville, muitas espécies não florescem nesta época, porém, suas folhagens se mantêm verdes e bonitas se forem bem cuidadas. 

Mas engana-se quem acha que flores não suportam as temperaturas mais baixas. Há espécies resistentes, que florescem justamente nesta época e garantem um jardim colorido no outono e no inverno, como a boca-de-leão, o amor-perfeito, o beijo rajado e as azaleias. 


— A planta não vai absorver a água durante a noite e qualquer umidade em excesso que fique nas raízes pode causar pragas e doenças —, explica Denise. 
Outra dica importante é não podar plantas que vão florir no inverno ou início da primavera, pois sua floração pode ser prejudicada. 

Aprenda a manter o jardim no outono e inverno
Cravina
Quem quer ter um jardim bonito o ano inteiro deve mesclar flores. 
— O ideal é misturar plantas perenes – que podem viver mais de dois ciclos sazonais sem que as suas folhas caiam – e plantas da estação. Assim, o jardim fica sempre verde e com flores —, sugere. 

O que plantar: 

-Boca-de-leão 
-Cravina 
-Sálvia 
-Amor-perfeito 
-Begônia 
-Beijo-rajado 
-Beijo-americano 
-Beijo-americano-dobrado 
-Jacatirão-anão 
-Lavandas 
-Azaleia 
-Ipomeia (trepadeira) 
-Senna macranthera (aleluia) 
-Bauhinia (pata de vaca) 
-Frutíferas em geral 
-Roseiras 
Um blog para quem gosta de verde, plantas e jardins

Jardim estilo mediterrâneo

A cultura mediterrânea se espalhou pelo mundo contemporâneo através de livros e filmes. 

Desde as paisagens da Sicília em O poderoso chefão, passando pela mitologia grega e seus oceanos e olivais, até o incessante comércio que ocorre desde tempos imemoriáveis até o dia de hoje. 

Quem nunca se encantou com as paisagens da Toscana, a costa croata e essa atmosfera de pedra, sol, praia?

Para criar um pouco dessa ambientação em seu jardim é necessário pensar em diversos elementos, dos mais estruturais até os mais singelos. Uma parede de pedra certamente fará qualquer um entrar nessa atmosfera, mas mesmo um balde de metal com um lindo girassol pode ajudar. 

Jardim estilo mediterrâneoAlgumas características dessa área marcam a arquitetura e decoração, como a grande quantidade de luz, e a escolha de materiais mais puros, e o pouco acabamento. Dessa forma, as cores que mais nos remetem ao universo mediterrâneo são o branco da cal, o marrom terracota e o azul. Assim como a madeira, a pedra e o metal com pouco acabamento.

Parte do mediterrâneo foi dominado por séculos a fio pelos mouros, dessa forma há uma herança cultural presente proveniente da cultura árabe. A disseminação de azulejos por exemplo, a presença de janelas pequenas, e dos muxarabis, que mais tarde foram reinterpretados no cobogó. 

O mar mediterrâneo une, a uma só vez, a parte sul da Europa, a África e a Ásia. É um dos mares mais importantes e mais navegados, aportando todo o imaginário da atraente mescla dessas três culturas. A proximidade tanto cultural quanto física, da Grécia e da Turquia por exemplo, nos remete a essa ideia. Dessa forma, uma maneira interessante para criar um jardim mediterrâneo é misturar com elegância elementos europeus, africanos e asiáticos. 

A pedra bruta do litoral, a parede branca com detalhes azuis da Grécia, os girassóis da Toscana, os balcões e arcos asiáticos, os azulejos da cultura árabe, aqui você pode encontrar diversas sugestões para te auxiliar na criação do seu jardim mediterrâneo!

Jardim estilo mediterrâneoO pilar, ou a coluna, são elementos arquitetônicos que existem para suportar uma carga vertical, passando-as para o solo. A arquitetura que mais aportou conhecimento e variedade ao uso de colunas e pilares foi a clássica, grega e romana, que deu as bases para a cultura mediterrânea. 

Desse modo, o uso de colunas e pilares estão na base desse tipo de arquitetura e construção. Na arquitetura clássica discriminaram diversas ordens, com suas colunas, como as dóricas, jônicas, etc… Com o tempo esse elemento construtivo foi se modificando, e tornando-se, via de regra, mais simples. As colunas que nos remetem ao jardim mediterrâneo contemporâneo, por exemplo, não tem sulcos ou desenhos, e são feitas de material mais bruto, como a madeira ou a pedra.
Jardim estilo mediterrâneoO termo mediterrâneo vem do latim mediterraneus, que significa entre as terras. Durante toda a história do homem, desde a antiguidade até a idade moderna, a localização especial desse mar tornou-o extremamente importante. A influência asiática na sociedade ocidental veio por muito tempo apenas por essa rota. Ao longo da história muitos povos asiáticos importantes trouxeram sua cultural através do mediterrâneo, como os: egípcios, cartaginenses, macedônios. Essa importante influência pode ser utilizada na decoração de diversos modos: com o uso de objetos de decoração típicos, como o olho egípcio; o uso de paredes brancas e paredes com poucas janelas; o uso de muxarabis, etc…

Desde as muralhas romanas, até as construções medievais, a pedra foi sempre escolhida como material. Isso por que simplesmente era o único material possível em termos de oferta e força. Através dos tempos as paredes e construções de pedra se imprimiram por todo o mediterrâneo, em diversas época e tipos de construção. Hoje em dia há muitas outras opções viáveis para a construção, como a madeira e o cimento, mas a construção em pedra ainda tem charme e nos remete imediatamente às cidades do mediterrâneo. 

Se você não tem as condições materiais para criar uma parede de pedra, você pode fazer um caminho de pedra. Se bem feito pode ser tão charmoso quanto a primeira opção!
Em cada zona climática há plantas que se desenvolvem de maneira natural, adaptadas a cada tipo de clima e solo.


Jardim estilo mediterrâneo
No entanto, as diversas espécimes botânicas típicas de cada nicho podem ser cultivadas em outros climas, desde que se tenha a devida atenção e cuidado com informações como necessidade de rega, sol, substratos, etc. Algumas espécimes mediterrâneas que podem ser cultivadas em um nicho atlântico, tropical ou temperado são: figueiras, girassóis, caqui, limoeiro, laranjeira, alguns tipos de palmeira, o hibisco, a jasmim, o Aloé vera, as margaridas, entre muitos outros.

A palavra azulejo vem do árabe e quer dizer pequena pedra polida. Há indícios da utilização de azulejos desde a longínqua antiguidade egípcia, mas esse elemento construtivo se popularizou no ocidente apenas na idade média, com a invasão moura na península ibérica. 

Uma vez que a iconografia era proibida no mundo árabe o azulejo era, e continua sendo, um elemento estético importante, construindo lindos desenhos com sua geometria colorida. Desse modo, o azulejo tornou-se um elemento base da cultura portuguesa, e portanto, do mediterrâneo. Há muitas maneiras de usar o azulejo, os que utilizam principalmente as cores branco e azul nos remetem a tradução portuguesa, enquanto o uso de cores e geometrias ao mundo árabe. 

Jardim estilo mediterrâneoO estonteante litoral grego tem algo de charmoso para além do mar e de uma das culturas mais antigas do mundo, as famosas casas brancas. Essas construções estão na base do imaginário sobre o universo grego, e quase todos quando vêem essa imagem pensam imediatamente no mediterrâneo. Devido às elevadas temperaturas que podem ser alcançadas no verão, essas casas são pintadas de branco com cal, e algumas tem detalhes em azul, remetendo à bandeira grega. Uma maneira interessante de trazer essa atmosfera grega para seu jardim é o uso de cal nas paredes, janelas pequenas e detalhes azuis.