16 de out de 2017

Fruta do Millagre

Fruta do Millagre

Fruta do MillagreEntenda os benefícios da Fruta do Millagre (Synsepalum Dulcificum) para a sua saúde

A Fruta do Millagre (Synsepalum Dulcificum) também conhecida mundialmente como Miracle Berry, é uma planta nativa da África Ocidental e pertence a família das Sapotáceas. A planta inicia sua produção em torno de 3 a 4 anos após a semeadura (crescimento lento).

Essa frutífera, já é conhecida no âmbito botânico e ecológico desde o século 18 pelo explorador françês Chevalier des Marchais (1725) em uma expedição no qual buscava plantas exóticas na África.

Minha dica: Prove a Fruta do Milagre, e depois coma algo Ácido/Azedo ou Amargo e verá que o efeito dessa frutinha realmente é milagroso. Milagroso como assim ?

A polpa dessa berry possui uma glicoproteína chamada Miraculina, que ao entrar em contato com as papilas gustativas da língua (“taste receptors“), inibem a capacidade de sentir os gostos Ácido e Amargo de 30 minutos até 2 horas (“taste-modifying ability“).

Por essa característica marcante, a fruta do milagre vem sendo usada como poderoso “Adoçante” (“sweet taste induced“) para preparações em geral (que são de característica amarga ou ácida), no ramo medicinal e também na indústria cosmética.
Fruta do Millagre


Não é extraordinário poder adoçar um suco de limão puro (limão siciliano, camu camu, cambuci), com esse insumo da natureza que é totalmente diferente de qualquer outro adoçante (sem potencial lesivo/danoso e sem calorias).

Além dessa capacidade interessante, a fruta do milagre possui fortíssimos fitoquímicos Antioxidantes, Antiinflamatórios e Anticarcinogênicos como: Epicatequina, Rutina, Quercetina, Miricetina, Kampferol, Ácido Gálico/Ferúlico e Siringico, Antocianinas (Delfinidina glicosideo, Cianidina/Malvidina Galactosideo), Tocoferóis (alfa-tocotrienol, gama-tocoferol), Luteína e alta dose de Vitamina C.

A Miracle Fruit está se adaptando bem no clima do Brasil, e a minha intenção é mostrar pra vocês opcões novas, para que possamos fortalecer essa ideia, e incentivar nosso país a valorizar espécies de plantas “desconhecidas”, mas que podem nos auxiliar com maestria no âmbito da Saúde.

14 de out de 2017

Feira de orquídeas em Araxá

Feira de orquídeas em Araxá

Feira de orquídeas em Araxá Araxá recebe até este sábado (14) uma feira de orquídeas com cerca de 150 espécies e quase mil unidades disponíveis. Entre as novidades estão plantas que exalam cheiro de chocolate. O evento, na cidade do Alto Paranaíba, vai até as 17h na Avenida Vereador João Sena, em frente à Igreja de São Sebastião, no Centro.

 “As plantas são desenvolvidas para exalarem cheiros gostosos de chocolate e cereja. Quando a gente faz cruzamento em laboratório, o cheiro se torna aleatório. Na natureza isso é diferente, elas exalam aromas que estão presentes naquele local que elas vivem”, explicou o agrônomo Márcio Vanique. 

Além de cores e formatos diferentes, os preços também variam. Em média cada vasinho de planta custa entre R$ 10 e R$ 20, dependendo da espécie este preço pode chegar até R$ 60, mas quem passa pela feira nem se lembra dos preços. “Não tem como escolher porque é cada uma mais linda que a outra. Isso é a presença viva de Deus. Em um instante a casa está cheia”, destacou a aposentada Nilda Maria Costa.

10 de out de 2017

Canela estimulante e  digestiva

Canela estimulante e digestiva


Canela Canela


 Nome Científico: Cinnamomum zeylanicum Blume. (LAURACEAE) 


Árvore mediana de casca castanho-claro; folhas opostas, ovaladas; flores verde-amareladas, em paniculas terminais. Originário da Ásia. Princípio Ativo: Eugenol, safrol, felandreno, ácido cinâmico e taninos. Partes Usadas: Folhas e casca das árvores. 

Uso Popular O pó das cascas é condimento. O chá das cascas ou da folha é estimulante digestivo, carminativo, anti-espasmódico e anti-reumático. É a casca de um arbusto do Ceilão descoberto em 1505 pelos portugueses. Na Idade Média foi muito disputada, juntamente com o gengibre. Hoje em dia, a canela é vendida em forma de bastões e em pó. Seu uso foi difundido por gerações sendo comum nos doces, tortas ou mesmo em pães doces. A canela possui propriedades tonificantes e excitantes, além de entrar na composição de xarope ativante da circulação. Estimulante, digestiva, antiespasmódica. Tratamento de febre, gripes e resfriados. 

CANELA(CASCA)


 Cryptocarya aschersoniana sistema digestivo em geral, estimula o trabalho cardíaco, aumenta a secreção gástrica. Digestiva e antioxidante; ajuda a prevenir osteoporose, a controlar a pressão sanguínea e a aliviar sintomas da menopausa. Uso Compotas, infusões, marinados, picles e ensopados (em casca) e bolos, pães, biscoitos, mingaus e doces (em pó). Combate azia, enjôos e infecções de garganta Elemento Usado como incenso para cura, clarividência, vibrações espirituais. Conhecida como um poderoso afrodisíaco. Usado em feitiços de prosperidade. Muito usada também em feitiços de amor. 

CANELA DA CHINA

 Cinnamomum cassia Ness – Óleo essencial (principais componentes:aldeído cinâmico e seus ésteres), mucilagem e manitol. Anti-séptico e como protetor solar em cremes e bronzeadores. São usadas como tempero duas espécies de canela: a do Ceilão e a da China. Ambas são árvores das quais são extraídos pequenos pedaços da casca do tronco. A canela pode ser vendida em pedaços (canela em pau) ou moída ( canela em pó). Da árvore da canela pode ser extraído óleo com propriedades medicinais usado para tratar gripes e resfriados, empregado também na perfumaria. Com o nome de canela conhecem-se no comércio diferentes tipos de cascas que se empregam como condimento e se obtêm de diversos arbustos pertencentes à família das Lauráceas. 

A espécie melhor e mais utilizada é o Cinnamomum Ceylandicum, procedente do Ceilão, onde é abundantemente cultivado. Também é explorada noutros países, como Java, Sumatra e ria América do Sul. Das cascas dos ramos novos obtêm-se os delicados cilindros, pardo-avermelhados, utilizados no comércio. Caracterizam-se por um sabor fortemente aromático, algo picante e ao mesmo tempo doce. Composição Um óleo essencial que atinge proporções de 0,5 a 4%. Também contém uma suave resina aromática, um corante que tem ferro e gomas. 

Aplicações Médicas 


A canela tem uma ação reguladora do apetite, fortalece o estômago, é estimulante e adstringente. Tem sido um remédio tradicional para a debilidade do estômago e do sistema digestivo em geral, especialmente nos casos de gastrite sub-ácida, caracterizada pela escassa produção de suco gástrico, e na diarréia. Nas farmácias costuma-se preparar a «água de canela», a tintura de canela, o xarope e o óleo de canela. Infelizmente, estes preparados costumam empregar-se apenas para corrigir o sabor de outras receitas médicas, embora tenham certas propriedades muito aproveitáveis por si mesmas. A que se emprega mais freqüentemente é a tintura de canela, tomando-se uma colher de sopa, cheia, três vezes por dia. É muito recomendável na debilidade nervosa do estômago, na flatulência e nas gastrinterites. 
Canela

CANELA PODE COMBATER DIABETES TIPO 2


Um estudo realizado pela Universidade da Califórnia, nos Estados Unidos, mostrou que a canela tem propriedades capazes de prevenir e combater o diabetes tipo 2. Os pesquisadores identificaram um componente que desempenha o papel de substituto da insulina e pode potencializar a atividade desta substância no organismo. Tratados com uma solução de canela por 40 dias, cerca de 30 voluntários demonstraram uma significativa redução dos níveis de glicose no sangue. A pesquisa também indicou redução dos níveis de triglicérides e colesterol. A equipe conseguiu identificar e descrever a estrutura química da molécula proanthocyanidin, encontrada na canela e que interfere na sinalização da insulina em células gordurosas. Agora, eles testam os efeitos benéficos da canela em ratos portadores de diabetes e os resultados devem ficar prontos em seis meses. 


CANELA (CASCA)


 Hemorragia nasal, moderar as cólicas, afecções catarrais, febre e vômitos. 

ÓLEO DE CANELA 

O óleo de canela atua contra as dores artríticas, musculares e reumáticas. Combate o estresse, a frigidez e a impotência, as gripes e resfriados, as infecções microbianas, a neurastenia ou qualquer tipo de estagnação física, emocional ou mental. É um forte estimulante circulatório, cardíaco, metabólico e respiratório. Ajuda a relaxar a musculatura. 

PROPRIEDADES ESPECÍFICAS DO ÓLEO DE CANELA

Afrodisíaco. Analgésico. Antidepressivo. Antibiótico. Antiespasmódico. Antiparasitário. Antisséptico. Antiviral. Batericida. Expectorante. Fungicida. Imunoestimulante. Termogênico. Seu aroma nos remete ao exotismo mágico do Oriente, seu sabor picante atiça nosso paladar e sua cor nos lembra a sensualidade das peles bronzeadas pelo sol. É a canela, uma das mais conhecidas e utilizadas especiarias que, entre outras qualidades, tem poderes afrodisíacos. A canela (Cinnamomum zeylanicum) é uma especiaria antiga, de aroma agradável, estimulante dos sentidos e calmante para o nervos. Ela é retirada da casca de uma árvore encontrada no Sri Lanka e no sudoeste da Índia, e é disponível também em forma de óleo, extrato e pó seco, sendo utilizada em substâncias aromáticas, incensos, chás, licores, cremes dentais, perfumes e cosméticos. 

O licor é feito incorporando a casca macerada na bebida. De sabor forte, adstringente e picante, realça doces, sobremesas, e inúmeros pratos orientais. No ocidente é mais usada em doces, mas é comum saborear pratos salgados orientais temperados com canela. É vastamente usada em misturas como o curry, os garans indianos ou a mistura chinesa five spicy. 

Uso medicinal 

O óleo de canela é considerado pelos aromaterapeutas um óleo “quente” e muito aromático. Utilizado nas massagens, tonifica o corpo, é anti-séptico, anti-espasmódico, facilita a circulação sangüínea e é estimulante sexual. Os antigos judeus curavam febres e gota misturando a canela com vinho de tâmaras, mas foi na China e em outros países asiáticos que ela começou a ser usada como condimento e acabou se tornando uma planta medicinal. Útil na fadiga e depressão, também é um tônico para os sistemas respiratório e digestivo, em forma de chá, especialmente nas tosses, resfriados, gripes, dores de estômago e diarréia. Utilizado em difusores, evita que o vírus da gripe se espalhe pelo ar. 

CanelaComo afrodisíaco, atua em casos de impotência. O incenso de canela é usado como um purificador de ambientes, é um poderoso calmante e também sintoniza bons fluidos financeiros, sendo seu odor reputado como “chamariz” para atrair clientes a negócios. 
PODER AFRODISÍACO

A expressão “ganhar um amor pelo estômago” faz mais sentido quando os ingredientes de uma receita compõe uma refeição afrodisíaca. O estímulo sexual através dos alimentos é uma técnica de conquista amorosa milenar, que vem sendo transmitida de geração a geração pelo mundo todo. O termo afrodisíaco é derivado de Afrodite, nome da deusa da mitologia grega do amor carnal. Diz a mitologia, que Afrodite deu seu nome a todos os alimentos e medicamentos estimulantes do ato sexual. Atualmente, a culinária afrodisíaca pode ser encontrada em livros, restaurantes especializados e até mesmo nas feiras livres, onde ela se difunde através do conhecimento popular. A canela é incluída nesta classificação por seus poderes estimulantes da sexualidade. Se você quiser usá-la em sua receita de sedução, experimente fazer um chá com esses pauzinhos e ofereça ao seu amor. Não me responsabilizo pelo que pode acontecer. 

Fonte: www.severomoreira.net 


Canela Mencionada em alguns livros da Bíblia, a canela é uma das mais antigas especiarias de que se tem registro. Conhecida como canela-do-ceilão, é nativa do Sri Lanka (antigo Ceilão), extraída da casca de uma árvore da mesma família do louro. Próxima da canela-do-ceilão, a cássia ou canela-da-china, é também obtida de um loureiro, possui sabor e aroma mais intensos, mas menos delicados. Ambas são cultivadas atualmente no Brasil e o processo de extração é o seguinte: a casca é retirada na época das chuvas, quando há mais seiva nas árvores, depois é seca e enrolada na forma de canudos. 

Esses canudos é o que chamamos de canela em rama ou de canela em pau. Os resíduos e cascas quebradas servem para a preparação da canela em pó. Podemos encontrá-la, ainda, na forma de essência e de óleo (usada para as fragrâncias). 

Como comprar


A canela em rama é a que preserva melhor seu aroma e sabor. Quando comprar, verifique se o aroma é bem marcante, o sabor adstringente, doce e picante e a coloração marrom-avermelhada. A de melhor qualidade tem casca mais fina e maior concentração de sabor e de fragrância. Na canela em pó, fique atento ao prazo de validade. Como armazenar Guarde em recipientes de vidro, bem limpos e fechados, em local protegido da umidade, para preservar o aroma e o sabor da especiaria. Quando for usar canela em pó, retire pequenas porções com uma colher limpa e seca e não com as pontas dos dedos, porque além de aumentar a umidade da especiaria, pode contaminá-la. Usos culinários A canela pode ser usada para condimentar frango e tender. É um dos ingredientes do curry e garam masala – misturas de especiarias, ambos da cozinha indiana. Na cozinha mediterrânea não falta nos molhos de tomate e à bolonhesa. 

Por aqui, seus usos mais conhecidos são no preparo de pães, biscoitos doces, bolos, tortas de frutas, cremes, frutas condimentadas, compotas, pudins e licores e para aromatizar bebidas quentes à base de café e de chocolate. Além disso, está presente em muitos de nossos doces tradicionais, como o arroz-doce, o curau, a ambrosia, as compotas de frutas e também na banana assada com mel e nas bebidas quentão e vinho quente. 

Dicas culinárias 

Quando usar a canela nas preparações, evite o seu cozimento em excesso que pode resultar num leve sabor amargo. Para aromatizar o cafezinho, derreta um pouco de chocolate meio amargo em banho-maria e mergulhe uma das extremidades de um pedaço de canela em rama. Deixe secar até o chocolate endurecer. Use para mexer o cafezinho no lugar da colher. 

Fonte: www.soreceitasculinarias.com 

Canela 


Com o nome de canela conhecem-se no comércio diferentes tipos de cascas que se empregam como condimento e se obtêm de diversos arbustos pertencentes à família das Lauráceas. A espécie melhor e mais utilizada é o Cinnamomum Ceylandicum, procedente do Ceilão, onde é abundantemente cultivado. Também é explorada noutros países, como Java, Sumatra e ria América do Sul. Das cascas dos ramos novos obtêm-se os delicados cilindros, pardo-avermelhados, utilizados no comércio. Caracterizam-se por um sabor fortemente aromático, algo picante e ao mesmo tempo doce. Composição Um óleo essencial que atinge proporções de 0,5 a 4%. Também contém uma suave resina aromática, um corante que tem ferro e gomas. 


Aplicações Médicas 


A canela tem uma ação reguladora do apetite, fortalece o estômago, é estimulante e adstringente. Tem sido um remédio tradicional para a debilidade do estômago e do sistema digestivo em geral, especialmente nos casos de gastrite subácida, caracterizada pela escassa produção de suco gástrico, e na diarréia. Nas farmácias costuma-se preparar a «água de canela», a tintura de canela, o xarope e o óleo de canela. Infelizmente, estes preparados costumam empregar-se apenas para corrigir o sabor de outras receitas médicas, embora tenham certas propriedades muito aproveitáveis por si mesmas. A que se emprega mais freqüentemente é a tintura de canela, tomando-se uma colher de sopa, cheia, três vezes por dia. É muito recomendável na debilidade nervosa do estômago, na flatulência e nas gastrinterites. 


Emprego Culinário


Empregam-se tanto os «paus» inteiros como em pó, que deve ser o mais fino possível. Por causa da sua marcada ação adstringente, deve empregar-se o pó de canela com bastante parcimoma. Em pequenas quantidades regula a secreção salivar e a atividade das glândulas. É uma especiaria muito indicada para a preparação de pratos em cuja composição entre o arroz, as farinhas e o leite coalhado, assim como na pastelaria. 


Fonte: br.geocities.com 


Canela 


Utilizada já na Europa medieval como condimento, a canela tem sido, durante séculos, uma das especiarias mais apreciadas. Junto com o cravo e a pimenta, constituiu a base de um próspero comércio entre a Europa e o Oriente. Canela é uma especiaria de cor avermelhada, de aroma suave com sabor doce característico e muito agradável. Empregada em culinária, perfumaria e também em medicina, por suas propriedades tônicas e estimulantes, é obtida da casca seca e triturada de diferentes espécies vegetais, sobretudo da chamada caneleira da Índia (Cinnamomum zeylanicum), arbusto da família das lauráceas, de folhas aromáticas, originária do Sri Lanka (antigo Ceilão). 

As flores, amarelas, são pequenas e numerosas, agrupadas em cachos ramificados. Os frutos são ovalados, de uma tonalidade roxo-escura. Cultivada na Índia e em Sri Lanka antes da chegada dos europeus, a canela requer climas quentes e bastante úmidos. Um dos cuidados de seu cultivo são as constantes podas, que estimulam o crescimento de ramos longos e delgados, saídos diretamente do pé da árvore. Da casca dessa planta, extraem-se os pequenos canudos de canela com seu aroma característico. Para uso comercial, retira-se a camada externa, esbranquiçada, e põe-se as tiras de casca para secar até que adquiram um tom avermelhado: assim se prepara a chamada canela em pau. À medida que secam, as tiras se enrolam umas sobre as outras, quando então se procede a seu empacotamento para depois serem comercializadas. A canela entra no pó que serve à preparação do caril (curry), molho típico da Índia, que contém ainda açafrão, cravo e gengibre. O óleo de canela é muito empregado em licores e remédios. 


Fonte: www.emdiv.com.br


OS SEUS EFEITOS TERAPEUTICOS 


A canela apresenta o nome científico de Cinnamomum zeylanicum, em sânscrito é denominada twak já em inglês chama-se cinnamon. Esta planta medicinal é originária do Sri Lanka e do sudeste da Índia. Possivelmente alcançou o Egito e a Europa no século V a.C., foi mencionada por Heródoto, o famoso historiador grego. A canela teve muita influência no desenvolvimento das grandes navegações em fins do século XV e inicio do século XVI, dado ao valor e a procura desta especiaria na Europa. Os portugueses conquistaram o Ceilão ( atual Sri Lanka) em 1505 movidos pelo interesse comercial na canela que era produto extrativo. 

A cultura da canela foi introduzida em Java em 1825 e posteriormente nem outros países, onde hoje é cultivada comercialmente, principalmente em Madagascar, Ilhas Seicheles e no Brasil. No nosso país vem se desenvolvendo e expandindo principalmente em São Paulo e na Bahia. A planta medicinal é na verdade uma árvore aromática de de 6 a 12 metros de altura, com folhas opostas, ovadas ou ovado-lanceoladas, trinervadas. Apresenta flores numerosas, reunidas em racemos ramificados e dispostos em panículas terminais, de cor esverdeado-amarelada. Possui um fruto do tipo drupa ovóide ou ovóide-oblonga, contendo uma semente elipsóide. 

A casca seca dos ramos jovens, desprovida da epiderme e da parte externa enroladas sobre si mesma e ou em pó, constitui a canela do comércio, usada desde a mais remota antiguidade como aromatizante com sabor típico e agradável, na culinária, em perfumaria e em farmácia. Dela se extrai industrialmente o óleo essencial. No Ayurveda a canela possui os sabores picante, doce e adstringente e uma potência quente. Com relação aos Doshas a canela pacifica Vata e Kapha mas pode agravar Pitta Dosha. Possui ação nos sistemas circulatório, digestivo, respiratório e urinário. 

Os efeitos terapêuticos são: estimulante, diaforético ( promove sudorese), carminativo ( alivia gases e cólicas intestinais), depurativo, expectorante, diurético, analgésico, antiinflamatório, relaxante muscular, sedativa, digestivo e anti-espasmódico. A literatura afirma que a canela pode ser usada para melhorar a circulação, combater hemorragia nasal, diarréia, dispepsia, flatulência, cólicas, tosse, bronquite, mucosidades, febres e vômitos. Pode ser utilizada em pó, 500 mg ao dia, ou em infusão na forma de chá da casca, 2 a 3 vezes ao dia. Este condimento é excelente quando utilizado moderadamente junto com gengibre e pimenta do reino para eliminar Ama ( toxinas ) e promover o Agni ( fogo digestivo). 

Nos casos de gripe, resfriado, tosse com secreção podemos juntar a canela, folhas de hortelã e gengibre em forma de chá e depois colocarmos uma colher de sobremesa de mel de eucalipto. A canela deve ser evitada nos excessos de Pitta Dosha, porem nos outros casos pode ser usada com moderação sem problemas. O óleo essencial está indicado nas dores do tipo Vata ( reumatismo), associado ao óleo de gergelim, através de massagem local. Com tantas propriedades terapêuticas não podemos deixar de usar a canela na culinária mas também como planta medicinal. Aderson Moreira da Rocha 

Fonte: www.ayurveda.com.br 



Nome Científico: Cinnamomum Zeylanicum Família: Lauráceas Origem: Ceilão, Birmânia, Índia Características Conhecida há mais de 2500 anos a.C. pelos chineses, a canela é uma árvore que requer cerca de 1.300mm de chuva por ano e temperatura média anual superior a 21O C. A canela é uma árvore do ciclo perene e que atinge até 8 a 9 metros de altura. A casca dos ramos é comercializada em rama (pau), raspas e pó. A caneleira é utilizada na culinária e na fabricação de bebidas, medicamentos, perfumes, shampoos e sabonetes. 

As suas propriedades medicinais são: Adstringente, afrodisíaca, anti-séptica, carminativa, digestiva, estimulante, hipertensora, sedativa, tônica e vasodilatadora. A canela é muito utilizada na culinária como condimento e na cosmética é utilizada em shampoos para dar brilho nos cabelos, usadas em pasta dentais, sabonetes e bronzeadores. 

Fonte: www.aromasdafloresta.com.br 



NOME CIENTÍFICO: Cinnamomum zeylanicum “Cinnamomum” é derivado da palavra Indonésia “Kayumanis”, que significa “ madeira doce”. 

DESCRIÇÃO DA PLANTA A canela é extraída do caule da caneleira, uma árvore de ciclo perene, que chega a tingir 9 metros de altura. O seu tronco alcança até 35 cm de diâmetro. As folhas, verde-claras, são brilhantes e lisas, com nervuras na base. As flores, pequenas, agrupadas em cachos ramificados, vão do amarelo ao esverdeado. 

AROMA E SABOR Fortemente aromática, dôce, e ligeiramente amarga. ORIGEM Ilha do Ceilão (atual Sri Lanka) 

COMPOSIÇÃO Sacarose Tanino Vanilina Açúcares Seu principal constituinte é o aldeído cinâmico, (cerca de 80%) É rica em cálcio 

PROPRIEDADES Adstringente Afrodisíaca Anti-séptica Digestiva Estimulante Sedativa Tônica Vasodilatadora Desencadeia a produção de insulina 

FUNÇÕES TERAPÊUTICAS Gases abdominais Ulceras estomacais causadas por stress Hipertensão arterial Resfriados Canela História A canela propriamente dita é uma casca macia, que aparece depois de ser retirada a primeira camada do tronco da caneleira. Esta casca é cortada em pedaços, e colocada para secar ao sol. É então que suas pontas se enrolam e formam um pequeno canudo, de onde vem o nome com que se denomina popularmente. Devido ao seu aroma forte, em 1500 a.C, uma rainha do Egito usava canela em seus perfumes. Na Idade Média era utilizada em ensopados, sopas, pudins, etc, mas atualmente , na França, é mais consumida em compotas e sobremesas, embora seja incontestável que ela concede um toque todo especial aos pratos salgados. É conhecida há mais de 2.550 anos ªC, pelos chineses. O comércio da canela era muito lucrativo, por ser a especiaria mais procurada na Europa. O monopólio deste (comércio), no século XVI pertencia aos portugueses. Quando os holandeses, em 1656 expulsaram os portugueses do Ceilão, passaram então a ter em suas mãos este monopólio, com a Companhia das Índias Orientais, passando para os ingleses, quando estes ocuparam a ilha, em 1796. Na Antiguidade, era usada pelos gregos, romanos e hebreus para aromatizar o vinho, enquanto na Índia e na China tinha fins religiosos. 

PARTES USADAS: Córtex dessecado e folhas (das quais se obtém o óleo). 

FORMAS EM QUE SE ENCONTRA: A canela pode ser utilizada em casca ou em pó. 

COMO CONSERVAR: Conservar em vidros bem limpos, em lugar protegido da umidade. 

CURIOSIDADES MISTICAS: Considerada o símbolo da sabedoria. A canela, por ser considerada um símbolo do amor, é usada como ingrediente em porções para conquistar a pessoa amada. 

USO GERAL Tempero Bebidas Medicamentos Cosmética (para dar brilho aos cabelos; como pasta dental; óleo bronzeador) Perfumes Sabonetes 

USO INDICADO EM ALIMENTOS Quando em pó, deve ser acrescentado aos alimentos antes de servir, pois o seu cozimento lhe dá um gosto ligeiramente amargo. Doces Biscoitos Patês Bebidas quentes Aves Carnes em geral Arroz 

Fonte: www.sensibilidadeesabor.com.br 

Canela Cinnamomum verum, sinónimo C. zeylanicum Canela – Cinnamomum verum A canela é uma árvore originária do Ceilão, da Birmânia e da Índia. O seu nome científico, “cinnamomum”, segundo referências, é derivado da palavra indonésia “kayu manis”, que significa “madeira doce”. Mais tarde, recebeu o nome hebreu “quinnamon”, que evoluiu para o grego “kinnamon”. A canela era a especiaria mais procurada na Europa e era tão estimada entre as antigas nações que era considerada como uma oferta digna de monarcas. O seu comércio era muito lucrativo. 

Considerada símbolo da sabedoria, a canela foi usada na Antiguidade pelos gregos, romanos e hebreus para aromatizar o vinho e com fins religiosos na Índia e na China. Entre as muitas histórias da canela, conta-se que o imperador Nero depois de matar com um pontapé sua esposa Pompeia, tomado de remorsos ordenou a construção de uma enorme pira para cremá-la. Nessa pira foi queimada uma quantidade de canela suficiente para o consumo, durante 1 ano, de toda a cidade de Roma! Simbolicamente, a canela é uma especiaria ligada ao amor, sendo empregada muitas vezes como ingrediente para perfumes mágicos e poções para conquistar a pessoa amada. Mesmo sem a importância que teve no passado e não sendo mais motivo de lutas entre os povos, a canela continua indispensável, como tempero na culinária moderna. 

Descrição 

A canela é uma árvore de ciclo perene que pode atingir até 10 a 15 metros de altura e que pertence à família Lauraceous. O tronco alcança cerca de 35 centímetros de diâmetro. A casca dos ramos é comercializada em rama (pau), raspas e pó. Flores: As flores são de coloração amarela ou esverdeada, numerosas e bem pequenas, agrupadas em cachos ramificados. 

Frutos: O fruto é formado por uma baga púrpura de cerca de 1 cm, contendo uma só semente. Folhas: As folhas são coriáceas, lanceoladas, com nervuras na base, brilhantes e lisas na parte superior e verde-claras e finamente reticuladas na parte inferior. Atingem cerca de 7-18 cm. Sabor e fragrância: O seu sabor deve-se a um óleo aromático essencial que constitui de 0,5% a 1% da sua composição. É de cor amarelo-dourada e tem um odor muito quente e aromático. 

Utilização Culinária

 A canela é muito usada como especiaria para condimentar presunto e alguns tipos de carne. Também é usada no preparo de sobremesas, tais como, pães doces, arroz-doce, bolos, tortas de frutas, cremes para pastéis, frutas condimentadas, pudins e bebidas quentes como licores, chocolate e café. Chá Diz-se que a ingestão regular do chá de Cinnamomum zeylanicum feito a partir da casca, poderia ser benéfica em doenças humanas relacionadas com o stress, já que essa parte da planta contém um significativo poder anti-oxidante. Medicina Em medicina, atua como qualquer outro óleo volátil e no passado teve a reputação de curar as constipações. Também foi usada para tratar a diarreia e outros problemas do aparelho digestivo. Acredita-se que ajude a digestão. A Canela tem uma importante atividade anti-oxidante. Tem sido usada tradicionalmente para tratar dores de dentes e evitar o mau-hálito. 

Cosmética 

É usada para dar brilho aos cabelos e em pastas dentais e óleos bronzeadores. Cultivo A multiplicação é feita por meio de sementes, originárias de plantas produtivas, vigorosas e sadias. Colheita (da casca) 5 anos após o plantio, quando ela naturalmente se solta do tronco (geralmente no Outono). Só a parte interior mais fina (0.5 mm) da casca é usada. Partes utilizadas Óleo essencial e casca desidratada. 

Fonte: www.esds1.pt 

Nome científico: Cinnamomum zeylanicum Blume e Cynamomum cassia Blume. Características Árvore perene, de folhas persistentes, com cerca de 7 a 8m de altura e com tronco de 20 a 25cm de diâmetro. A casca é espessa, glabra e pálida. Os ramos são cilíndricos ou tetrágonos somente no ápice. As folhas são simples, alternas, coriáceas, luzidias, pecioladas, oblongas, elípticas-ovaladas ou oblongo-lanceoladas, 8 a 15cm de comprimento por 3 a 4cm de largura, acuminada, base subaguda a arredondada, 3-nervada, glabra. A inflorescência é uma panícula cimosa, terminal e axilar. As flores são verde-amareladas, pequenas, em número de 2 a 5 por cimeira. O perianto é 6-lobado, 6 estames, pubescentes, ovário livre, com 1 lóculo. Não possui pétalas. O fruto é uma baga ovóide apiculada, com 8mm de comprimento, preta. A casca é de cor cinza-castanho, ligeiramente áspera, com rugas finas e lenticelas transversas. O odor é delicado, fragrante e aromático. O sabor é excitante, doce e pungente. Uso doméstico O pó da casca serve como condimento de quentão, curau, arroz-doce, mingau, compotas, bolos,bananas assadas ou cozidas, biscoitos, vinho quente,caldas, cremes, chocolate e no tempero de carnes..

A essência é utilizada em perfumes, saches e sabonetes artesanais.Dos frutos se obtém a cera de canela, usada para o fabrico de velas. Uso medicinal É utilizada para dores estomacais, diarréia, choques, calafrios, extremidades frias, tosses, dismenorréia, amenorréia, pressão baixa, respiração ofegante, criou ulceração , ulcerações da gengiva e da mucosa da boca , doenças atônicas do estômago, vômitos nervosos, febres adinâmicas, influenza, escrófulas, metrorragias, hemorragias de partos, paralisia da língua e enxaquecas. É reguladora do apetite, fortalece o estômago. É estimulante e adstrigente. Seu óleo aromático, obtido por destilação, é útil, em fricções, nas dores reumáticas. 

Fonte: web.matrix.com.br 

 Canela Habitat Natural das regiões Norte e Nordeste do Brasil. Características Possuem corpo normalmente incolor, com rostro maior que a escama antenal; cabeça e patas grandes. Comprimento do corpo Podem atingir de 11 a 12 cm. Peso Entre 14 e 16 g. Finalidade Espécie nativa indicada para a carcinicultura (criação de camarões). É rústica e de fácil reprodução e desenvolvimento em cativeiro. Limitações Sensível à baixas temperaturas, limitando seu cultivo no sul do país. 

Bibliografia Principais Peixes e Crustáceos dos Açudes Controlados pelo DNOCS ( Departamento Nacional de Obras Contra as Secas). Odilo Freire Dourado, Fortaleza, 1981, 39p. Cultivo de Camarões de Água Doce. Wagner C. Valenti, São Paulo: Nobel, 1985, 2a edição, 82p. 


Fonte: www.agrov.com 

Canela A caneleira (Cinnamomum zeylanicum, família das lauráceas) é uma árvore tropical que mede, em adulta, entre 10 a 15 metros de altura. À semelhança de inúmeras árvores de cultivo, a caneleira, plantada em “jardim de canela”, é reduzida a um quarto do seu tamanho normal, a fim de permitir uma exploração mais fácil. Passada a estação das chuvas, a madeira fica impregnada de água e de sucos. Depois de raspada a casca exterior, destaca-se a segunda casca da árvore, que é cortada em pedaços de igual comprimento. Secos ao sol, enrolam-se sobre si próprios em pequenos canais dourados – daí o nome de “canela” – que são encaixados uns nos outros e postos à venda. 

Existem diferentes tipos de canela, e cada um é apreciado por grupos de consumidores diferentes. A canela de Ceilão, muito aromática, suave, um pouco adocicada, que se desfaz em pequenas lascas entre os dedos, é a única conhecida em França. A canela da China, ou “cássia”, de casca mais espessa e rugosa, que exala um cheiro mais aberto, menos adocicado, com uma nota adstringente, é a que se consome na Alemanha, na Rússia e nos Estados Unidos. 

Os Antigos consideravam a canela a primeira das especiarias e tinham-na elevado ao lugar de oferta real, a par da mirra, do ouro e do incenso. Atualmente, o consumo mundial está avaliado em 35 000 toneladas, e a cássia representa 90% do volume total de canela consumida no mundo. A canela é uma especiaria muito aromática que é preciso utilizar com parcimônia, tanto em paus – que se deitam fora depois de usados – como em pó. 

A canela perfuma preparados com açúcar e bebidas e bebidas quentes mas também preparados salgados: carnes guisadas, tajines e caris. Os cozinheiros classificam-na na categoria das especiarias ditas doces. O calor e a força do seu aroma justificam que sempre a tenham considerado um afrodisíaco. Talvez por isso, existe na China uma lenda que conta como a deusa das caneleiras, apaixonada por um jovem filósofo, utilizou a canela como filtro de amor. 

Fonte: www.proformar.org 

Canela Nome Científico: Cinnamomum zeylanicum-Breye Família: Lauraceae Nomes populares: Canela, canela de ceião, caneleiro Características Árvore de porte médio, atingindo de 8 a 15 metros de altura por 40 cm de diâmetro. Casca pálida e sem pêlos; Folhas simples, opostas, ovadolanceolada, contendo três nervuras salientes; apresentam consistência coriácea, e aspecto luzídio na página superior; Flores pequenas, branco-amareladas, formando pequenas panículas (Carriconde et al, 1995 in Silva, É. B da, 1997). 

Comentários: Carriconde et al, (1995), diz que a canela é originária do Sri Lanka ( antigo Ceilão ) , introduzida no Brasil pelos jesuítas. Nos dias atuais produz-se canela a partir de plantas nacionais, sem a mesma qualidade do produto originário do Ceilão. São usadas as cascas (caule e ramos) e folhas; a casca possui óleo essencial, taninos, açúcares, cumarinas, diterpenos, sesquiterpenos e minerais. A folha também contém óleo essencial em quantidades diferentes aos da casca em elementos químicos. Tem como terapêuticas: antibacteriana, antifúngica; estomática, carminativa, espasmolítica. Segundo Cruz, G.L., a ocasião propícia à extração das cascas, é quando se completa um lustro da data do plantio da árvore, então se cortam os ramos e se separam as cascas, que são postas a secar. Sob a ação do sol, elas enrolam e posteriormente são vendidas. É uma planta estimulante, tônica. É recomendada no combate às gripes, resfriados, tosses, afecções catarrais, hemorragia pós-parto e escorbuto. É ainda estimulante da circulação. Albuquerque (1989) in Silva, É. B da, (1997), afirma que o chá feito com as folhas ou cascas é ótimo para combater o reumatismo e a pressão alta. Sousa et. al (1991) in Silva, É. B da, (1997), comenta que o princípio ativo da planta usada em altas doses provoca irritação das mucosas e hematúrias. Composição Química Óleo essencial – encontrado na casca e na folha Taninos Açucares Cumarinas Diterpenos e Sesquiterpenos Minerais 

Fonte: www..geocities.com

Copyright © Portal São Francisco
Jequitibá-rosa  Patriarca a árvore mais velha do Brasil

Jequitibá-rosa Patriarca a árvore mais velha do Brasil

Jequitibá-rosa  Patriarca a árvore mais velha do Brasil

Quando sua semente germinou no solo de onde hoje fica a cidade de Santa Rita do Passa Quatro, interior de São Paulo, o mundo estava a um milênio do início da era cristã; as civilizações grega e romana, pilares da cultura ocidental, ainda não haviam se consolidado, e levaria 2500 anos até que as naus portuguesas aportassem no Brasil. 

Da tal semente brotou por volta do ano 1000 antes de Cristo o jequitibá-rosa que hoje é carinhosamente chamado de Patriarca, devido à sua imponência e por ser a árvore brasileira mais antiga de que se tem registro.

As proporções do vegetal ancião impressionam: depois de três mil anos de vida, ele atingiu uma altura de 40 metros, o equivalente a um prédio de 13 andares. Com um diâmetro de 3,6 metros e circunferência medindo 11,3 metros, são necessários cerca de dez homens para conseguir abraçar o tronco inteiro. De acordo com um site de turismodo município paulista, as raízes da árvore chegam a uma profundidade de 18 metros e seu peso bruto foi calculado em 264 toneladas, o equivalente a 53 elefantes com peso médio de cinco toneladas. Especialistas estimaram que, sozinho, o Patriarca tenha sequestrado mais de 132 toneladas de CO2 ao longo de sua existência. Segundo a prefeitura local, o jequitibá-rosa reúne aproximadamente 190 metros cúbicos de madeira, montante que possibilitaria construir em torno de 15000 cadeiras.

Para assegurar que este último dado permaneça sendo apenas uma curiosidade e que ninguém danifique este valioso patrimônio natural brasileiro, o governo de São Paulo mantém no local uma reserva chamada Parque Estadual de Vassununga, que abriga uma das maiores quantidades de jequitibás-rosa do mundo. A área protegida foi criada em 1970 e atualmente é gerida pela Fundação Florestal, vinculada à secretaria estadual do meio ambiente.

A majestosa árvore só está de pé até hoje graças à consciência dos antigos donos do terreno, relata o órgão. “A presença dos jequitibás no parque deve-se às ações de preservação ambiental que ocorreram no passado, decorrentes da postura conservacionista dos proprietários particulares”, informou a instituição a GALILEU. Mas será que depois de viver por tanto tempo, o Patriarca pode ser considerado um vegetal “velho” biologicamente falando? Ele apresenta diferenças metabólicas se comparado com um espécime mais jovem de jequitibá-rosa?

De acordo com os especialistas da Fundação Florestal, sim. Parece que nossa árvore anciã, assim como outros ents da vida real, adquirem uma existência mais pacata conforme envelhecem. “As diferenças entre uma planta jovem e outros adultos mais velhos estão ligadas às fases de crescimento, produção de flores e frutos”, explicam os especialistas do órgão. “Um indivíduo jovem normalmente apresenta um crescimento mais rápido que indivíduos adultos mais velhos”, afirmam.

Para conseguir chegar à impressionante idade de três milênios, o Patriarca teve de resistir à implacável e sempre presente ameaça humana, seja com os antigos machados ou com as atuais motosserras. Mas também precisou superar alguns fatores biológicos: a ação de pragas como insetos ou outros agentes como vírus e bactérias podem decretar a morte de uma planta por causas naturais, sem contar o risco de possíveis raios ou incêndios.
Jequitibá-rosa  Patriarca a árvore mais velha do Brasil
A seleção natural, porém, influencia de forma decisiva no período de vida de uma árvore – e é por isso que não vemos tantos “ents” espalhados por aí. “Algumas espécies têm um período de vida curto, no entanto estabelecem como estratégia produzir muitos descendentes; já outras demoram vários anos até chegar à fase reprodutiva, e normalmente produzem apenas um filhote, no entanto dedicam a este descendente um esforço de cuidado maternal que pode durar por vários anos”, explicam os biólogos da fundação.