20 de mai de 2018

Parentesco com o morango e outras surpresas reveladas pelo mapeamento genético das rosas

Parentesco com o morango e outras surpresas reveladas pelo mapeamento genético das rosas

Parentesco com o morango e outras surpresas reveladas pelo mapeamento genético das rosas

Helen Briggs

A história genética das rosas está cheia de surpresas
O sequenciamento do genoma humano - um dos feitos científicos mais importantes da história - foi concluído em 2003. Agora, os cientistas terminaram uma versão nova, revista e ampliada do "livro" genético de uma das espécies mais admiradas do mundo, as rosas.

A conclusão do trabalho foi anunciada por cientistas em 30 de abril.

A história genética das rosas está cheia de surpresas. Por exemplo: a flor é mais próxima dos morangos do que se achava anteriormente.

Como eram os vestidos de noiva de rainhas e princesas - e o que podem revelar sobre o de Meghan
No longo prazo, o sequenciamento genético pode levar à criação de rosas com novos aromas e cores, de acordo com o time de especialistas de vários países.

O novo genoma das rosas levou oito anos para ser concluído. Agora, sabemos exatamente quais genes estão envolvidos na produção do aroma, da cor e da longevidade das rosas, diz o pesquisador Mohammed Bendahmane, da École Normale Supérieure (ENS) de Lyon, na França, que liderou o trabalho.

Parentesco com o morango e outras surpresas reveladas pelo mapeamento genético das rosas"O que nós temos agora é um livro de história da rosa", disse ele à BBC. "Um livro que nos ajuda a entender a espécie, sua jornada ao longo da evolução e do processo de domesticação."


A rosa chinesa, cujo nome científico é Rosa Chinensis, é uma das espécies estudadas
O estudo envolveu uma equipe de mais 40 cientistas de França, Alemanha, China e Reino Unido e ajuda a entender a variação existente hoje em termos de cores e aromas.

A informação genética auxiliará os agricultores a desenvolver novas variedades que vivam por mais tempo em vasos ou sejam mais resistentes a pragas.

A pesquisa também lança luz sobre a família Rosaceae, que inclui frutas como maçãs, pêssegos e morangos.

"A rosa e o morango na verdade são espécies muito próximas", diz Bendahmane.

Guerra das rosas
O cultivo de rosas em jardins começou há milhares de anos, provavelmente na China. Durante o período romano, rosas eram amplamente cultivadas no Oriente Médio, onde eram usadas como ornamento e para a produção de perfume.

No século 15, a rosa se tornou o símbolo de uma guerra pelo trono inglês, na que ficou conhecida como "Guerra das Rosas" - a rosa branca era o símbolo da Casa de York, e a rosa vermelha representava a Casa de Lancaster.

O resultado da pesquisa foi publicado no periódico científico Nature Genetics (em inglês).

10 de mai de 2018

Estévia é um adoçante seguro?

Estévia é um adoçante seguro?


Estévia é um adoçante seguro?



Será que a estévia é um adoçante seguro?

Entenda se esse substituto natural do açúcar é mesmo saudável

Entenda se esse substituto natural do açúcar é mesmo saudável
Quando se trata do uso de adoçantes, existem várias teorias favoráreis ou contrárias aos substitutos do açúcar comum. Normalmente, os especialistas condenam os produtos artificiais, como ciclamato de sódio, e recomendam os naturais, como sacarose. Mas, o que dizer da estévia (Stevia rebaudiana), planta típica da América do Sul, e que vem ganhando espaço como um dos adoçantes mais utilizados no Brasil?

As principais organizações de saúde e segurança alimentar geralmente consideram a estévia segura. O problema é que alguns pesquisadores alertam que não existem evidências suficientes para entender como os produtos adoçados com essa planta podem afetar o nosso corpo.

Na prática, a stevia é de 200 a 400 vezes mais "doce" do que o açúcar de mesa, ou seja, uma pequena quantidade é capaz de adoçar "qualquer" bebida. No mercado brasileiro, podemos encontrar a estévia em produtos como refrigerantes e chás gelados, adoçantes em pó ou líquidos, e outros alimentos comercializados como "baixo teor de açúcar", incluindo sorvetes e iogurtes.

Os adoçantes de estévia são produzidos à base de glicosídeos de esteviol, substância encontrada nas folhas da planta. A Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (European Food Safety Authority) e a Organização Mundial da Saúde (OMS) afirmam que esses compostos são seguros nas quantidades normalmente usadas. A conclusão é baseada em estudos – principalmente financiados pela indústria de alimentos – realizados em bactérias e roedores e que mostram que a estévia não causa danos ao DNA ou câncer. Pesquisas feitas em humanos também não encontraram nenhum efeito sobre a pressão arterial ou sobre o aumento do nível de glicose no sangue.

Por sua vez, o Centro para a Ciência de Interesse Público (Center for Science in the Public Interest), uma ONG internacional de defesa dos alimentos, que frequentemente critica os substitutos do açúcar, inicialmente levantou preocupações sobre os adoçantes de estévia quando chegaram ao mercado, em 2008. Na época, a entidade afirmou que a Food and Drug Administration (espécie de Vigilância Sanitária) dos Estados Unidos deveria ter exigido mais testes. No entanto, a ONG passou a classificar a estévia como um dos substitutos mais seguros do açúcar em um relatório de 2014, em parte porque a substância vem sendo usada, há muito tempo, no Japão.

Digestão

Apesar dos glicosídeos de esteviol serem quebrados por bactérias no intestino grosso, sintomas gastrointestinais como inchaço e diarreia não foram relatados nos estudos sobre o adoçante. Mas, o problema é que alguns produtos que contêm stevia também incluem algum álcool de açúcar, como o eritritol, que pode causar problemas digestivos se consumidos em grandes quantidades.

Além disso, ainda há dúvidas se o uso de adoçantes sem calorias, como a estévia, pode afetar a ingestão diária de calorias. Um estudo recente descobriu, por exemplo, que quando os participantes tomavam uma bebida adoçada com estévia em vez de açúcar, pela manhã, compensavam as calorias faltantes comendo mais no almoço, além de terem picos maiores de glicose no sangue e de insulina na hora da principal refeição do dia.

Alguns pesquisadores ainda temem que o uso a longo prazo de adoçantes não nutritivos possa ter efeitos metabólicos não intencionais. "No geral, para os adoçantes não nutritivos, não temos evidências, mas isso é especialmente verdadeiro para a estévia, que não foi extensivamente estudada", comenta a pesquisadora Meghan Azad, professora da Universidade de Manitoba, que fica na cidade de Winnipeg, no Canadá.

Azad é a principal autora de uma pesquisa que revisou estudos que trataram do uso prolongado de adoçantes não nutritivos. A conclusão é que esse tipo de substituto do açúcar pode não ser útil para a perda de peso e, em alguns casos, foi associado ao aumento da incidência de obesidade, diabetes e doenças cardíacas. No entanto, a pesquisadora não encontrou evidências sobre a estévia nessa revisão.

7 de mai de 2018

Azeites extravirgens: 18 marcas em que você pode confiar

Azeites extravirgens: 18 marcas em que você pode confiar

Azeites extravirgens: 18 marcas em que você pode confiar
Mais uma vez, a PROTESTE levou para o laboratório 29 marcas de azeite de oliva extravirgem, para avaliar a autenticidade e a qualidade desses produtos. Ou seja, se, entre os que se encontram nos supermercados sendo vendidos como extravirgens, existia algum (ou alguns!) que estivesse misturado com outros óleos ou que fosse virgem ou lampante (devido ao seu cheiro forte e à sua acidez elevada, não deve ser destinado à alimentação). Isso traria danos não só ao seu bolso, por você pagar a mais por um produto inferior, mas também não atenderia às suas expectativas nutricionais. E agora, às vésperas do Natal, apresentamos a você a listagem das marcas que, realmente, são legítimos azeites extravirgens.
Nossos testes foram feitos em laboratórios internacionais acreditados pelo Ministério da Agricultura (Mapa) e pelo Conselho Oleícola Internacional (COI). Nós não divulgamos quais são esses laboratórios para mantermos a independência do teste. A avaliação é complexa e exige treinamento, análises específicas e equipamentos sofisticados.Para descobrir a adição de outros óleos vegetais ao azeite – o que descaracteriza o produto extraído exclusivamente da azeitona –, verificamos diversos parâmetros físico-químicos capazes de detectar a fraude. Entre eles, estão a quantidade de ceras e a composição de ácidos graxos e de esteróis.
Outra análise importantíssima foi a sensorial. Apesar de ser obrigatória em alguns países a comprovação da qualidade do azeite por meio de análises organolépticas ou sensoriais, ainda não possuímos um painel treinado brasileiro. Por isso, submetemos os azeites a um painel internacional, certificado pelo COI, no qual especialistas treinados e qualificados avaliaram os compostos dos azeites formadores de aromas e sabores complexos.
Azeites extravirgens: 18 marcas em que você pode confiar 
Esses azeites são de boa qualidade
Quando você for ao supermercado comprar os itens para a sua ceia, leve com você a seguinte lista. Assim, garantirá aquele bacalhau regado em um azeite legitimamente extravirgem! De acordo com os resultados de nossos testes, todos os listados abaixo, em ordem alfabética, se saíram bem nas análises sensoriais e dos parâmetros físico-químicos:
– Allegro
– Andorinha
– Borges
– Carbonell
– Cardeal
– Carrefour Discount
– Cocinero
– Filippo Berio
– Gallo
– La Violetera
– Maria
– Olitália
– O-live
– Qualitá
– Renata Superiore
– Taeq
– Terrano
– Vilaflor
Azeites extravirgens: 18 marcas em que você pode confiar
Os melhores do teste e as escolhas certas
Entre todos os mencionados acima, houve destaques. Os azeites Filippo Berio e O-live foram considerados os melhores do teste, obtendo nota bem alta em nossa avaliação final: 96. As marcas Cocinero e Carrefour Discount receberam o título de a escolha certa, por terem não só qualidade, mas também bom preço.
É bom salientar que a marca O-live foi escolhida como a melhor do teste pela segunda vez consecutiva. O azeite Cocinero também tem um dado interessante: ele foi eleito, pela segunda vez, a escolha certa, após ter sido reprovado em nossas análises de 2007. Isso mostra a importância de nossas denúncias quando encontramos problemas: elas fazem com que os fabricantes melhorem seus produtos. Aproveite, então, a nossa seleção de ótimos azeites de oliva extravirgens e confraternize-se, neste Natal, em torno de uma ceia repleta não só de sabor e saúde, mas também de respeito ao consumidor.

6 de mai de 2018

Chá de agrião - Propriedades e benefícios

Chá de agrião - Propriedades e benefícios

Chá de agrião - Propriedades e benefíciosO agrião é uma planta usada como alimento por muitas pessoas ao redor do mundo. Este é o mais antigo vegetal que se tem conhecimento de ser consumido por humanos, sendo que se tem conhecimento de seu uso como alimento desde a existência humana. 

A erva popular é nativa da Europa e cresce ao longo de córregos de água. Seu sabor lembra de forma suave o sabor da pimenta e, além de seu uso como alimento, pode ser usada ainda para fins medicinais.

Propriedades e benefícios

Rico em vitamina C, o agrião pode fornecer 72% da quantidade necessária dessa vitamina com apenas 100 g. A partir disso, o agrião elimina os radicais livres prevenindo o câncer e o envelhecimento precoce da pele. Além disso, é eficaz ainda no fortalecimento da imunidade, além de prevenir a anemia e manter os ossos e a pele saudáveis. O alimento também é rico em vitamina K e A, combatendo a doença de Alzheimer e fortalecendo os ossos, a pele, os olhos, os cabelos e as unhas. Com ação antioxidante, a planta está associada à redução dos riscos de câncer, comprovados em diversos estudos. Por possuir vitamina C, o agrião pode ser usado ainda no tratamento de escorbuto e de catarata.
Foto: Reprodução
Chá de agrião - Propriedades e benefíciosPode ser usada na prevenção de gripes e resfriados, no combate à candidíase e outras bactérias que podem acontecer no cólon e no intestino, trata bronquite, tosse, melhora a digestão, previne a osteoporose, melhora a pele combatendo a acne e combatendo eczemas e sarna.
Seu consumo é auxiliar em dietas para quem quer perder peso, pois além de ser baixo em calorias, o alimento é rico em potássio e em nutrientes que o tornam um excelente complemento. Com apenas 18 calorias por porção, pode ajudar a saciar a fome para diminuir o impulso de comer.

Chá de agrião

O agrião pode ser consumido como salada ou cozido para aproveitamento de seus benefícios e propriedades. No entanto, existe o chá que pode ser usado para fins anti-inflamatórios no combate de gripes, tosse, bronquite e catarro no peito.
Para preparar, use ½ xícara de chá de folhas e talos, 1 colher de sopa de mel e 100 ml de água. Em um recipiente, leve a água ao fogo e quando alcançar fervura desligue. Adicione as folhas e talos e tampe deixando descansar até amornar. Coe e em seguida adicione o mel para adoçar e misture bem. Consuma 4 colheres de sopa desse chá 3 vezes ao dia.